Repórteres sem Fronteiras: Erdogan ameaça liberdade de expressão e jornalistas

© AP Photo / Emrah GurelUm cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia
Um cartaz com uma imagem do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentado em Istambul, Turquia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A ONG Repórteres sem Fronteiras considera que a política do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em relação a ameças à imprensa uma ameaça a jornalistas e à liberdade de expressão. A informação é do representante da organização na Turquia, Erol Onderoglu.

Konstantin Dolgov, comissário da chancelaria russa para Direitos Humanos, Democracia e Estado de Direito - Sputnik Brasil
Rússia: Anistia Internacional reflete violações de direitos humanos nos EUA e Turquia
Esta declaração foi no contexto do caso travado contra o editora-chefe do jornal oposicionista ‘Cumhuriyet’, Can Dündar, e o chefe da sucursal da publicação em Ancara, Erdem Gul, que foram presos em 26 de Novembro de 2015. O Ministério Público de Istambul acusou Dündar e Gul de espionagem e exigiu a prisão perpétua. O Tribunal Constitucional da Turquia decidiu que a detenção dos jornalistas foi uma violação dos seus direitos, em seguida, Dündar e Gul foram liberados, até à sua sentença judicial. Erdogan disse que ele não pode tomar essa decisão, e que o trabalho dos jornalistas não tinha nada a ver com a liberdade de expressão, se tratando de espionagem.

“Nossa organização saúda a decisão do Tribunal Constitucional da Turquia e considera uma grande contribuição em favor do Estado de direito. O Secretário-Geral da ‘Repórteres sem fronteiras’, Kristof De Loix, considera que que a posição de Erdogan ameaça a o trabalhar de jornalistas no país e a liberdade de expressão. Se houver uma ameaça à segurança de Can Dündar e Erdem Gul, a responsabilidade recairá sobre o Presidente", disse um porta-voz da ONG.

Anteriormente, Can Dündar, numa conferência de imprensa em Istambul, agradeceu a todos da comunidade internacional pela solidariedade durante os 62 dias de detenção, e acrescentou que este apoio deve ser alargado a outros jornalistas que estão em prisões turcas.

Tanks stationed at a Turkish army position near the Oncupinar crossing gate close to the town of Kilis, south central Turkey, fire towards the Syria border, on February 16, 2016 - Sputnik Brasil
Para Moscou, ações da Turquia na fronteira síria são agressão
“A decisão do Tribunal Consitucional sobre a nossa liberdade é uma derrota para Erdogan”, acrescentou o jornalista. 

O advogado do jornal Cumhuriyet, Bülent Utku, disse que a primeira audiência sobre o caso de Dündar e Gul será realizada em 25 de março em Istambul, onde ele será lido pela acusação. Ele ressaltou que a decisão do Tribunal Constitucional está aberta a todas as organizações e agências e deve ser executada. Segundo ele, não pode ser aplicado um recurso contra esta decisão.

O incidente que se tornou a razão para a detenção dos jornalistas aconteceu na província de Adana em janeiro de 2014, quando militares inspecionaram caminhões da Organização Nacional de Inteligência que iam em direção à fronteira turco-síria. De acordo com as autoridades turcas, os caminhões transportavam ajuda humanitária aos turcomanos sírios.

Cumhuriyet publicou em maio de 2015 fotos e vídeos registrados durante a revista dos caminhões. Foram encontradas caixas de granadas de artilharia, minas e outras munições. Logo após a publicação se dirigiu ao procurador, exigindo a instauração de um processo criminal contra o jornal e seu editor-chefe.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала