Finalmente o mundo está pronto para ouvir a Rússia

© Sputnik / Mikhail Voskresensky / Abrir o banco de imagensVai levar muito tempo para restaurar Aleppo, Síria
Vai levar muito tempo para restaurar Aleppo, Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Após os atentados em Paris, ficou claro que está na hora de os países europeus reconsiderarem a sua postura em relação à Síria.

Segundo escreveu o site analítico What They Say About USA (O que dizem sobre os EUA), ao enfrentar a dura realidade, os países ocidentais devem reexaminar a sua agenda política, tendo em conta a ameaça muito séria de terrorismo que paira sobre a União Europeia.

O presidente francês François Hollande declarou que Paris não tem outros inimigos além do [grupo terrorista] Estado Islâmico e que a França está comprometida com a luta contra o grupo que tomou responsabilidade pelos ataques de 13 de novembro.

Barack Obama conversa com Vladimir Putin antes da sessão de abertura da Cúpula do G-20 em Antália - Sputnik Brasil
Forbes: Putin escolheu hora e lugar certos para fazer chegar sua opinião ao Ocidente
Na noite de 13 de novembro Paris foi alvo de uma série de ataques terroristas simultâneos, que provocaram a morte de 130 pessoas e deixaram mais de 350 feridos. O grupo terrorista Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelos atentados.

A Rússia estava chamando a atenção há muito tempo à ameaça do terrorismo. O pedido oficial do presidente sírio Bashar Assad em 30 de setembro deu início à operação aérea contra os grupos terroristas EI e Frente Nusra. Assad já qualificou a operação russa como mais eficiente do que a campanha da coalizão internacional liderada pelos EUA.

De acordo com o site analítico, mesmo o presidente norte-americano Barack Obama fez declarações sobre “o papel construtivo” da Rússia na crise síria.

Após os atentados em Paris, os apelos do presidente russo Vladimir Putin a unir os esforços e intensificar a cooperação militar foram enfim tomados em conta pela França, e esta última enviou o seu porta-aviões Charles de Gaulle ao mar Mediterrâneo.

Todas as alterações mencionadas acima indicam o início de mudanças nas políticas dos países ocidentais, que levaram ao aumento da ameaça terrorista e à ampliação do território controlado pelos terroristas do EI.

Ataques aéreos russos contra caminhões-cisternas do EI na Síria - Sputnik Brasil
EUA se recusam a atacar caminhões-cisterna do Estado Islâmico que vão para a Turquia
A Rússia, o jogador mais sério na luta contra terrorismo, foi capaz de prever a ameaça. E a catástrofe com o avião de passageiros russo, que caiu no Sinai (Egito) matando todos os passageiros e tripulação, só prova mais uma vez que a postura da Rússia é correta: ela visa destruir o Estado Islâmico por via de realização de ataques aéreos na Síria. 

Para que o confronto com os grupos terroristas venha a ser bem sucedido, é necessário uma boa liderança, o que não aconteceu nos últimos cinco anos porque alguém estava deliberadamente jogando em dois tabuleiros, o que só ajudou os terroristas a ganhar mais poder e territórios.

Mas agora, após todos os últimos acontecimentos, as estratégias e política em relação à crise síria, migratória e à luta contra terrorismo estão mudando, e quando mudarem, poderão evitar desastres, vítimas mortais e garantir a segurança e a paz não só na região, mas em todo o mundo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала