07:40 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Rio de Janeiro deverá receber um milhão de turistas no Carnaval

    Folia e caos: Agressões, furtos e repressão policial acompanharam festa do Carnaval

    Divulgação / André Lobo / Riotur
    #SputnikExplica
    URL curta
    Folia de 2017 (24)
    14103881

    O Carnaval parou o país nos últimos dias, lotando as ruas de foliões, blocos, momento de festa e folia em todos os cantos do Brasil. No entanto, o feriado também foi marcado por altos índices de violência, furtos, agressões, lotando as delegacias de ocorrências.

    Dos pequenos roubos à violência policial, as multidões que tomam as ruas das cidades brasileiras para festejar o Carnaval muitas vezes acabam enfrentando um cenário de caos. A Sputnik Brasil elencou alguns tópicos que contribuíram para uma atmosfera mais caótica na folia de 2017.  

     

    Paralisação da polícia

    Um dos motivos apontados para o aumento da violência no Carnaval é a paralisação da Polícia Militar em diversas regiões do país, e, mais recentemente, a paralisação da Polícia Civil no Rio de Janeiro, prejudicando o policiamento nas ruas da cidade.

    Polícia Civil do Rio entra em greve
    Fernando Frazão/Agência Brasil
    As Forças Armadas chegaram a prestar assistência no Rio de Janeiro, mas se retiraram na última quarta-feira. 

    Em entrevista ao GLOBO, o porta-voz da Polícia Civil, major Ivan Blaz, informou que o número de policiais seria reduzido em 22,8%, patrulhando as ruas com 11.937 policiais, 3.527 a menos do que no ano passado. "Muitas prefeituras estão passando por dificuldades financeiras. A crise impactou o carnaval e houve redução da programação, inclusive no Rio de Janeiro. Isso nos possibilitou redimensionar o efetivo de policiais que será empregado", afirmou o major. 

    Apesar da greve da Polícia Civil, as delegacias do Rio de Janeiro ficaram lotadas após a realização de grandes blocos de rua, como o Cordão do Bola Preta. Muitas pessoas apareceram para prestar ocorrências sobre furtos e roubos. 

     

    Agressão e assédio contra mulheres

    Em blocos de ruas marcados por muitas manifestações feministas, em uma campanha que mobilizou as pessoas contra o assédio e pelo empoderamento feminino, a folia teve diversos relatos de agressões, manchando o espírito da festa. 

    No Carnaval de Belo Horizonte, por exemplo, durante o bloco Unidos do Samba do Queixinho, que buscava justamente promover o respeito às mulheres, uma moça levou uma cabeçada no nariz após discutir com um homem que tentou agarrá-la e beijá-la à força. Ela teve que ser atendida por médicos.

    Relatos semelhantes aconteceram no Rio de Janeiro, quando mulheres que faziam distribuição de material da campanha Carnaval sem Preconceito também sofreram assédio e agressões por parte de homens durante blocos realizados no pré-carnaval (entre os dias 17 e 19) e na sexta-feira (24).  

    Infelizmente, casos de abuso contra mulheres deste tipo são intensificados neste período do ano, na medida em que muitos aproveitam o clima de "pegação" para serem agressivos com mulheres e não aceitam "não" como resposta.

    Por outro lado, movimentos feministas vêm ampliando a sua voz em campanhas contra o assédio, sobretudo durante o carnaval, mas encontram forte resistência de parte da sociedade, o que não impede — e muitas vezes naturaliza — casos de assédio. 

     

    Repressão policial

    Outras ocorrências de atmosfera violenta durante o Carnaval ocorrem por parte da própria polícia, que muitas vezes sob o pretexto de "retomar a ordem", dispersam blocos da mesma maneira que acontece em manifestações políticas, jogando bombas de gás lacrimogênio e causando correria e tumulto. 

    O caso mais emblemático deste tipo no Carnaval de 2017 ocorreu em São Paulo, em blocos realizados na Praça Roosevelt e no Largo da Batata. 

    A confusão aconteceu porque nestas regiões foi proibida a concentração e dispersão de blocos de rua. Com a aglomeração ocorrendo de qualquer jeito, a Polícia Militar lançou diversas bombas de gás lacrimogênio, assustando foliões, moradores e funcionários de bares e restaurantes. Este tipo de caso começou a se tornar mais comum com a grande proliferação de blocos de rua, inclusive blocos que não têm — e não pedem — autorização da prefeitura para realizar o seu desfile, o que se tornou muito comum no Carnaval de rua, gerando o debate sobre o limite da legalidade e da liberdade de realizar festas.

    Entre festa e caos, o Carnaval segue sendo uma das maiores festas do mundo e mobiliza blocos, escolas de samba, foliões e músicos por todos os cantos do Brasil. E as ocorrências infelizes deste ano podem ser servir de lição para os anos seguintes, tanto em termos de preparo da polícia como de conscientização da população. 

    Tema:
    Folia de 2017 (24)

    Mais:

    Portela é a campeã do Carnaval 2017 no Rio
    Abertos os envelopes, faturamento do carnaval é rebaixado
    Três meses depois: Neto, Follman, Henzel e Ruschel passam o Carnaval celebrando a vida
    Tags:
    folia, caos, violência, polícia, carnaval, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik