08:57 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    4134
    Nos siga no

    Apesar dos enormes avanços em termos de prevenção e desenvolvimento de vacinas, o ano de 2021 poderia causar ainda mais mortes do que as registradas em 2020, adverte a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da organização, disse na sexta-feira (14) que a pandemia em 2021 poderá ser muito mais mortal do que em 2020, e comentou sobre as medidas a que deveriam ser tomadas.

    A COVID-19 já custou mais de 3,3 milhões de vidas, e estamos no caminho para que o segundo ano da pandemia seja muito mais mortal do que o primeiro. Salvar vidas e meios de subsistência com uma combinação de medidas de saúde públicas e vacinação – não uma ou outra – é a única saída.

    Um dos maiores desafios é a disponibilidade de vacinas nos países mais pobres e, como solução para este problema, o diretor da OMS sugere que, em vez de vacinar crianças, os países desenvolvidos compartilhem suas vacinas no âmbito do COVAX, o plano internacional de fornecimento de vacinas para países menos desenvolvidos.

    Além disso, hospitais de países de média e baixa renda estão sendo inundados com pessoas que necessitam de assistência urgente. Apenas 0,3% das vacinas contra a COVID-19 chegam a esses países, observou Ghebreyesus.

    Ele também sublinhou que em algumas partes do mundo a situação continua crítica, como na Índia, Nepal, Sri Lanka, Vietnã, Camboja, Tailândia e Egito. As Américas foram responsáveis por 40% de todas as mortes por coronavírus na última semana. Todos esses países estão sendo apoiados, acrescentou o diretor-geral da OMS.

    Nacionalismo das vacinas

    Tedros Adhanom Ghebreyesus lembrou que em setembro de 2020 ele alertou sobre a ameaça do chamado "nacionalismo das vacinas", mas foi-lhe dito que estava sendo alarmista, e fez outra previsão semelhante em janeiro de 2021.

    "Em janeiro, falei sobre a possível ocorrência de uma catástrofe moral. Infelizmente, estamos agora testemunhando isso a acontecer. Em um punhado de países ricos, que compraram a maior parte do fornecimento de vacinas, grupos de baixo risco estão sendo agora inoculados.

    "Preciso ser franco: o mundo está à beira de uma falência moral catastrófica, e o preço deste fracasso será pago com vidas e meios de subsistência nos países mais pobres do mundo."

    Como uma das soluções para o problema, ele pediu que a fabricação de vacinas fosse incentivada através do compartilhamento das tecnologias e conhecimentos necessários para isso.

    Mais:

    Fernández se junta a Obrador na cobrança à ONU contra o acúmulo de vacinas pelos países ricos
    Fim da pandemia em 2021? Segundo a OMS, expectativa é 'irreal'
    Chefe da OMS elogia promessa dos EUA de apoiar quebra de patentes das vacinas contra COVID-19
    Tags:
    Egito, Tailândia, Camboja, Vietnã, Sri Lanka, Nepal, Índia, COVID-19, Twitter, Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Mundial da Saúde, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar