22:54 30 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Desde junho que a Organização das Nações Unidas estudava uma data para o encontro que vai coordenar os trabalhos para tentar conter a pandemia.

    A Organização das Nações Unidas (ONU) informou nesta quinta-feira (5) que será nos dias 3 e 4 de dezembro próximos a sessão especial da Assembleia Geral, de forma virtual, para coordenar esforços contra a COVID-19, informou a agência de notícias AFP.

    A ideia é elaborar uma ação internacional especial num momento de segunda onda da pandemia especialmente na Europa e nos Estados Unidos. A ONU pretende reunir no encontro chefes de Estado e de governo. A decisão foi aprovada por 150 votos a zero. Apenas três países se abstiveram: Israel, Armênia e Estados Unidos.

    A sessão terá discursos pré-gravados por líderes mundiais, apresentações de vídeos e uma discussão liderada pelo chefe da OMS, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus. Os líderes poderão apresentar declarações pré-gravadas de cinco minutos para serem transmitidas no salão da Assembleia Geral. Os videoclipes serão reproduzidos no ambiente. 

    O Presidente da Assembleia, o turco Volkan Bozkir, chamou a sessão especial de "alto nível".

    "Um momento histórico e um teste para o multilateralismo será definido por nossa ação coletiva sobre uma das questões mais críticas de nosso tempo", disse.

    Os 193 países que integram a ONU adotaram quatro resoluções sobre a pandemia este ano: solidariedade global, acesso global a medicamentos e vacinas, coordenação da ação global e resposta unida às ameaças sanitárias mundiais.

    Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o mundo tem 47,9 milhões de casos e 1,2 milhão de mortos. Na Europa, especialmente atingida com uma segunda onda do coronavírus, há pouco mais de 21 milhões deles. E nos Estados Unidos, cerca de 9,2 milhões. Na quarta-feira (4), o país bateu o recorde de casos diários, 100 mil. O Brasil tem, também segundo a OMS em dados desta quinta-feira (5), pouco mais de 5,5 milhões de enfermos e cerca de 160 mil mortos.

    Mais:

    Nobel da Paz de 2020 é concedido ao Programa Mundial de Alimentos da ONU
    'Calote' milionário pode fazer Brasil perder direito a votar na Assembleia Geral da ONU
    Trump diz na Assembleia Geral que a ONU deve 'responsabilizar a China' pela COVID-19
    Bolsonaro discursa na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (VÍDEO)
    Tags:
    COVID-19, Brasil, Estados Unidos, Europa, Assembleia Geral, OMS, ONU
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar