04:45 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    0 22
    Nos siga no

    Em preparação para possível agitação eleitoral, Facebook pode lançar ferramentas internas emergenciais destinadas a desacelerar a disseminação de conteúdos duvidosos durante as eleições.

    De acordo com o jornal The Wall Street Journal nesse domingo (25), o Facebook está analisando a possibilidade de "agitação civil" nos dias seguintes às eleições do próximo mês e está montando estratégias para acalmar qualquer "conflito relacionado às eleições" nos EUA.

    "Passamos anos construindo eleições mais seguras", afirmou o porta-voz do Facebook Andy Stone. "Aplicamos lições de eleições anteriores, contratamos especialistas e construímos novas equipes com experiência em diferentes áreas para nos prepararmos para vários cenários."

    As medidas que estão sendo consideradas já foram empregadas em países "de risco" como Sri Lanka e Mianmar, e incluem uma desaceleração do compartilhamento de conteúdo viral, diminuição do limite para a identificação de mensagens potencialmente inflamatórias e ajustes no feed de notícias para mudar o conteúdo que o usuário recebe ao entrar na rede social. A empresa também pode reduzir o limite para detectar postagens que seu software considera perigosas.

    "Precisamos fazer tudo o que pudermos para reduzir as chances de violência ou agitação civil após estas eleições", disse o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, ao portal Axios no mês passado.

    Segundo o The Wall Street Journal, o Facebook implementará tais medidas apenas em caso de uma situação crítica que possa causar violência relacionada às eleições, observando que se a empresa decidir usar essas ferramentas, elas transformarão as informações que milhões de americanos recebem.

    Com essas medidas, o Facebook já começou a receber críticas de ambos os partidos Democrata e Republicano, e qualquer tentativa de regulamentar o conteúdo provavelmente provocará mais polêmicas. A rede social sofreu intensa pressão no início deste mês, inclusive pelo presidente Donald Trump, após desacelerar a divulgação de um artigo do jornal The New York Post relacionado ao filho de Joe Biden, Hunter.

    Em resposta, a empresa disse que suas ações estão de acordo com as regras que detalhou no ano passado para evitar interferências nas eleições.

    Mais:

    Facebook é acusado de espionar usuários do Instagram através das câmeras dos celulares
    Facebook pretende proibir usuários da Austrália de compartilharem notícias
    Facebook retira vídeo publicado por Trump por conter desinformação sobre coronavírus
    Tags:
    eleições, EUA, Facebook
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar