11:07 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O templo mortuário de Hatexepsute, perto de Luxor

    Segredos de túmulo egípcio de rainha-faraó mostram romance proibido

    © Sputnik / Sergei Mamontov
    Sociedade
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    No Antigo Egito, só os homens podiam herdar o trono. Assim, quando Hatexepsute, que era frequentemente retratada como um homem, se viu no comando após a morte prematura do marido, ela percebeu que a única maneira de governar o Egito era ser melhor do que qualquer rei.

    O seu reinado, de cerca de vinte e dois anos, corresponde a uma era de prosperidade econômica e relativo clima de paz.

    Novos segredos da rainha-faraó do Antigo Egito foram desvendados em um documentário que oferece um vislumbre de partes do templo normalmente pouco conhecidas.

    Durante as filmagens do documentário "Nilo: o Grande Rio do Egito", a historiadora Bettany Hughes mostra compartimentos enigmáticos do templo do faraó egípcio que são raramente vistos.

    Complexo de sepulturas e templos Deir Elbari, Mausoléu da rainha Hatexepsute.

    No templo, diversos baixos-relevos escondidos nos dão uma ideia de um romance ilícito de uma mulher excepcional 3.500 anos atrás com o cortesão Senemute. Explorando o túmulo, a historiadora revela que a figura de seu amante Senemute está presente em todo lado.

    "Escondendo os baixos-relevos de Senemute em uma parede por trás de portas fechadas, talvez assim Hatexepsute quisesse manter o seu relacionamento em segredo", diz Bettany Hughes.

    Os cientistas acreditavam até agora que Senemute, que supervisionava a construção do templo e ensinava a filha de Hatexepsute, tinha sido escolhido pela rainha.

    No Egito Antigo só os homens podiam herdar o trono – não havia sequer referências a uma rainha.

    Rainha Hatexepsute, Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque.

    Assim, quando Hatshepsut, que era frequentemente descrita como um homem, se viu no comando após a morte prematura do marido, se tornou óbvio para ela que sua única chance era governar o Egito melhor do que qualquer rei faria.

    "Há uma impressão de que ela queria superar todos os homens", explica Bettany, acrescentando que o templo era diferente de todos os outros que tinham sido construídos no Egito anteriormente, com um design avançado.

    As paredes do templo revelam muito sobre esta mulher fascinante, que enviava delegações por mar para comprar marfim e ouro a lugares aonde outros faraós egípcios não conseguiam chegar.

    Sendo uma mulher, Hatexepsute não podia ascender ao trono, embora fosse de linhagem real.

    Ela não quis se submeter a isso e, em uma abordagem intrigante que de alguma forma funcionou, alegou que era casada com o rei dos deuses e, portanto, tinha tanto direito de se sentar no trono como qualquer faraó.

    Assim, Hatshepsut foi coroado em 1.473 a.C., mudando seu nome da versão feminina Hatshepsute - que significa a Primeira das Senhoras Nobres - para a versão masculina, Hatshepsu.

    Mais:

    Tumbas e estátuas são desenterradas de cemitério de 4.500 anos no Egito (FOTOS)
    Tags:
    descoberta, templo, túmulo, faraó, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar