06:05 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Testemunha de Jeová lê a Bíblia no estádio Meinau, em Estrasburgo, durante uma Assembleia regional que reuniu cerca de 12 mil Testemunhas de Jeová (1998 - foto de arquivo)

    Prisão de Testemunhas de Jeová: surge mais um obstáculo entre EUA e Rússia

    © AFP 2018 / DAMIEN MEYER
    Sociedade
    URL curta
    452724

    A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, manifestou preocupação pelas "recentes detenções" de membros das Testemunhas de Jeová na Rússia.

    "Estamos preocupados com as recentes detenções de Testemunhas de Jeová na Rússia. A Rússia deve libertá-las e os outros 100 prisioneiros por suas crenças religiosas, muitos deles acusados sem fundamento de crimes de extremismo", escreveu em seu Twitter.

    A Embaixada da Rússia nos Estados Unidos reagiu às afirmações de que há "presos políticos" que "devem ser libertados" e destacou em 18 de junho que Moscou "rejeita qualquer tentativa de interferir" em seus assuntos internos.

    "A Rússia tem respondido repetidamente e de modo inequívoco aos 'pedidos' propagandísticos do Ocidente para libertar estes ou outros suspeitos, acusados ou condenados de acordo com a nossa legislação de diversos crimes graves", enfatizou a missão diplomática em seu comunicado.

    "Lutar pela liberdade de consciência, religião e valores democráticos é uma excelente estratégia de propaganda de Washington quando é necessário justificar as estruturas reconhecidas em outros países como extremistas e envolvidas em negócios ilegais, que incitam ao ódio e à organização de comunidades extremistas", disse a embaixada russa.

    Em abril de 2017, o Supremo Tribunal da Rússia reconheceu as Testemunhas de Jeová como  organização extremista e proibiu suas atividades no país. Concluiu-se que as Testemunhas de Jeová violam seus próprios estatutos e infringem a legislação russa de combate ao extremismo, especialmente no Capítulo III da Lei Antitеrrorismo, que define as condições da atividade missionária de grupos religiosos.

    Da mesma forma, foi decidido que todos os bens da organização deveriam ser confiscados em favor do Estado russo.

    Em retaliação, em maio de 2017, a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA (USCIRF, sigla em inglês) incluiu a Rússia na lista de países que violam a liberdade religiosa.

    Mais:

    Protestos mortais na Nicarágua: Igreja Católica e Ortega retomam diálogo
    Norte-americana arranca seus próprios olhos em frente a uma igreja
    Tags:
    religião, extremismo, detenção, prisão, Embaixada da Rússia nos EUA, Testemunhas de Jeová, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik