02:30 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Um casal beijando

    Descubra segredos do 'impactante manual do sexo' escrito no século XVIII (FOTO)

    CC0 / Pixabay
    Sociedade
    URL curta
    0 24

    A casa de leilão britânica Hansons pôs a venda um "manual de segredos do sexo" datado de 1720. O guia esteve proibido até 1960 devido ao "conteúdo impactante", informou o site da organização que também publicou o manual.

    O livro, intitulado de "Obra-prima de Aristóteles concluída em duas partes, a primeira contendo os segredos da geração", é o verdadeiro guia dedicado ao sexo e a relações familiares que inclui elementos de religião, bruxaria e também astrologia.

    Descoberto o "Manual do sexo" escrito em 1720 que mostra atitude estranha no sexo

    Além disso, cintam também "conselhos para ambos os gêneros durante o ato sexual". Por exemplo, segundo o livro, a criança se parecerá ao pai se durante o sexo a mulher "olha seriamente para o homem e concentra seus pensamentos nele".

    A obra será leiloada em março na loja Hansons Auctioneers em Derbyshire (Inglaterra). O preço inicial do livro varia entre 80 e 120 libras esterlinas (entre R$ 365 e R$ 548).

    Vale destacar que segundo indica o avaliador de livros e manuscritos de Hanson, Jim Spencer disse que "a primeira edição deste livro foi publicada em 1684 e esteve proibida até 1960. Isso aconteceu por várias razões, por exemplo, ilustrações em madeira que mostram 'monstros' gerados por conexão anormal entre mulheres e animais […]", relatou.

    É preciso considerar que este livro foi escrito quando pessoas acusadas de cometer bruxaria podiam ser queimadas na Inglaterra georgiana, explicou Spencer.

    Mais:

    Será que robôs poderão sentir orgasmo durante sexo com humanos?
    Além de prazeroso, sexo é considerado melhor tratamento para combater algumas doenças
    Vida sem sexo é mesmo possível?
    Cientista descobriu a relação entre o sexo e o bom sono
    Tags:
    bruxaria, descoberta, venda, sexo, manual, livro, Inglaterra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik