15:27 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Governo britânico aprovou a substituição do Taser X26 pelo Taser X2

    Polícia do Reino Unido usará armas de eletrochoque mais potentes

    © AFP 2019 / JUSTIN TALLIS
    Sociedade
    URL curta
    301

    O governo do Reino Unido autorizou as polícias da Inglaterra e do País de Gales a utilizarem armas de eletrochoque mais potentes, segundo informou a mídia local nesta quinta-feira, 2.

    Conforme relatou o Guardian, a secretária britânica de Assuntos Internos, Amber Rudd, acaba de aprovar o emprego do Taser X2 em substituição ao X26. Esse modelo, semiautomático, permite dois tiros ao invés de um e possui uma série de recursos inteligentes.

    A decisão de Rudd foi tomada em meio a muitas preocupações e críticas sobre os efeitos dessas armas, que, embora não letais, podem, em alguns casos, provocar ferimentos graves e até mortes. 

    Especialistas citados pelo jornal reconhecem que a introdução do Taser, em 2003, na Grã-Bretanha, levou a episódios de morte e lesões sérias no país, mas explicam que o número desses incidentes é relativamente baixo se comparado ao número de vezes em que essas armas foram usadas. Em todo caso, o governo decidiu adotar algumas medidas de precaução, exigindo, por exemplo, que os policiais registrem os detalhes de cada disparo e de cada vítima/criminoso envolvido no incidente. 

    Indivíduos que foram vítimas de armas de eletrochoque no Reino Unido, ou seus familiares, vêm realizando muitas campanhas contra o uso do Taser, destacando inclusive o fato de que, segundo dados oficiais, esse armamento é empregado três vezes mais em pessoas de origem afro-caribenha do que em asiáticos ou brancos. 

    Mais:

    Protesto no Rio: PM usa armas de fogo contra manifestantes
    OSCE denuncia uso de armas proibidas no leste da Ucrânia
    'Daesh mata com armas alemãs'
    Quais são os 2 critérios que distinguem as armas russas?
    Tags:
    eletrochoque, armas, Taser X26, Taser X2, The Guardian, Taser, Amber Rudd, Grã-Bretanha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar