10:11 23 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Matadouros de cachorros na China

    Homem resgata 1.000 cachorros do Festival de Carne na China

    © AP Photo/ Andy Wong
    Sociedade
    URL curta
    160

    Ativistas dos direitos animais salvaram mais de mil cachorros de serem mortos durante o Festival de Carne de Cão Yulin na China. De acordo com a mídia local, as pessoas compram carne dos cachorros para consumo, acreditando que isso ajuda a lidar com o calor.

    O polêmico festival anual de carne de cão chinês começou na cidade de Yulin nesta terça-feira (21). Cerca de 10.000 cães e gatos passam seus últimos dias em pequenas jaulas antes de serem mortos e consumidos durante 10 dias.

    Estima-se que de 10 a 20 milhões de cães são mortos cada ano na China para serem ingeridos. A tradição de comer carne de cachorro tem uma história de cerca de 500 anos. Os moradores acreditam que o consumo de carne de cachorro ajuda a lidar com o calor. No entanto, o festival Yulin é relativamente recente, tendo começado apenas nos últimos anos. Segundo o governo local, o festival não tem apoio oficial e é organizado por empresas privadas. O evento cruel tem enfrentado forte resistência interna e internacional. Mais de 11 milhões de pessoas assinaram uma petição pedindo que o festival seja banido para sempre.

    O ativista americano Marc Ching viajou para Yulin antes do início do festival em sua sétima missão para a Ásia, e começou a trabalhar tentando resgatar os cachorros assustados. Até o final de terça-feira, Ching e seu companheiro conseguiram salvar mais de mil cães de seis matadouros.

    O ativista utilizou técnicas diferentes para salvar os animais: em alguns casos ele se fingiu de comprador dos animais e enviou os cachorros exaustos para os EUA para reabilitação. Em outros casos, ele conseguiu convencer os proprietários dos matadouros a desistir do negócio e começar outra atividade com a ajuda de Ching.

    A Sociedade Humanitária Internacional veio à cidade de Yulin para apoiar os esforços de salvamento dos cães, escreveu Ching em sua página no Facebook. Eles vão ajudar os animais a encontrar uma nova vida livre de sofrimento.

    Mais:

    Jaulas dos zoológicos não protegem pessoas dos animais... Ou vice versa?
    Estes animais domésticos não aceitam fofura de nenhum jeito
    Rússia defenderá seus animais contra ‘práticas bárbaras' nos zoológicos europeus
    Tags:
    comida, festa, cães, morto, ativista, carne, festival, Facebook, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik