00:42 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    422
    Nos siga no

    Começou a venda de bilhetes para o Desire Cruise, (Cruzeiro do Desejo) o primeiro cruzeiro sexual da história, informa a empresa mexicana Original Group, organizadora da viagem.

    Falta um ano para que zarpe o primeiro navio sensual cheio de luxos e confortos, chamado Azamara Quest, mas os bilhetes já estão à venda. O camarote mais barato custa 2.700 euros, enquanto o mais caro e luxuoso atinge o preço de 11.000 euros.

    ​O navio está equipado com bares, restaurantes, cassinos, sex shops, diferentes salões eróticos e áreas nudistas. Além disso, tem piscinas onde o fato de banho e o biquíni são opcionais. São organizadas festas e jogos eróticos a bordo. Ou seja, eles farão tudo para criar uma atmosfera sensual para aqueles "casais que tenham uma mente aberta e queiram levar sua sexualidade a um novo nível".

    "Não temos nenhuma dúvida de que o cruzeiro vai mudar a vida daqueles que o experimentem", disse o primeiro executivo do Original Group, Rodrigo da Rocha.

    ​Haverá algumas restrições e regras a bordo. É proibido fazer barulho depois da meia-noite e manter algum tipo de relacionamento com os membros da tripulação, andar despido em áreas públicas e restaurantes, gravar vídeos ou tirar fotos, ignorando a privacidade dos participantes, assim como não se deve insistir quando se faz uma proposta sexual.

    ​Os viajantes vão à aventura sensual no dia 26 de setembro, segundo a empresa organizadora. Cerca de 700 vão se deliciar com a viagem picante que irá durar oito dias. O cruzeiro navegará pelo Mediterrâneo e Adriático e fará escalas em Itália, Croácia e Eslovénia.

    Mais:

    Conheça o primeiro restaurante nudista britânico
    Turista belga cria conta no Instagram para ser bom filho
    Aventuras de moto: mulher iraniana viaja pelo mundo
    Estudante brasileiro viaja à Rússia em preparação para ir ao espaço
    Tags:
    viagem, casais, amor, sexo, férias, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar