06:21 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    111
    Nos siga no

    Uma propaganda da marca italiana de lingerie Calzedonia com a modelo brasileira Adriana Lima de biquini vem causando muita polêmica e controvérsia na cidade de Munique, na Alemanha.

    Um outdoor de 114 metros quadrados da modelo da Victoria Secret, a brasileira Adriana Lina, posando de biquíni foi instalado diante do prédio da prefeitura de Munique, localizada na Praça Marienplatz, famoso ponto turístico da cidade. 

    O debate a respeito do anúncio ganhou destaque após o jornal alemão Süddeutsche Zeitung ter publicado uma matéria contando como turistas têm tirado selfies com a imagem, enquanto moradores, guias turísticos e o conselho municipal de equiparação entre os sexos registraram queixas contra o anúncio com a brasileira "seminua". 

    A polêmica ocorre em meio ao debate sobre anúncios sexistas, que ganhou força com o projeto de lei do ministro da Justiça da Alemanha, Heiko Maas, que pretende proibir propagandas que tratem homens e mulheres como objetos sexuais. 

    A prefeita de Munique, Christine Strobl, que vê a propaganda da janela do seu gabinete, comentou o anúncio:

    "Já vi publicidades mais misóginas, mas comercial de biquíni num local símbolo da cidade não é bom. No entanto, até onde estou informada, não podemos fazer nada contra o anúncio".

    O anúncio tem sido chamado por moradores da região de “machista” e “monstruoso”, segundo as informações publicadas no Süddeutsche Zeitung.  No entanto, o a publicação destacou que que a empresa que comercializou o espaço seguiu todas as regras: eles não podem divulgar partidos políticos, pornografia ou imagens violentas, e o tamanho está dentro do que foi autorizado. 

    Mais:

    Modelo aprova menos músculos e mais naturalidade da mulher em ensaios de nu
    Modelo da Playboy é presa por tentar assassinar chefe da máfia bósnia
    Tags:
    Alemanha, Munique, Brasil, modelo, sexismo, conservadorismo, propaganda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar