07:43 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    148
    Nos siga no

    A polícia local afirmou que nove pessoas morreram após tiroteio em uma igreja histórica negra em Charleston, no estado norte-americano da Carolina do Sul. O ataque teria ocorrido por volta de 21h (22h em Brasília) desta quarta-feira (17), durante um culto.

    O chefe da polícia da cidade, Gregory Mullen, disse que oito das vítimas foram mortas dentro da Igreja Metodista Episcopal Africana Emanuel. A nona vítima morreu pouco depois. Segundo ele, o crime teria sido motivado por ódio. 

    "Havia oito mortos dentro da igreja. Duas pessoas feridas foram levadas ao hospital e uma faleceu. No momento, temos nove vítimas fatais deste crime", disse Mullen. 

    O pastor da igreja, o senador estadual Clementa Pinckney, está entre os mortos. Ele tinha 41 anos de idade e era deputado democrata do Senado estadual. Mais cedo neste dia Pinckney participava na campanha eleitoral de Hillary Clinton, enquanto ela está realizando a sua campanha presidencial em Charleston.
    O chefe da polícia acrescentou que um aviso de bomba foi emitido depois do tiroteio, mas não foram encontrados explosivos.

    A polícia de Charleston informou que persegue um suspeito branco, com cerca de 21 anos. A polícia acredita ter-se tratado de um crime de ódio. O suspeito continua em fuga. 

    De acordo com as últimas informações, a personalidade de suspeito foi comprovada. Ele é Dylann Roof, de 21 anos, informou o FBI. Roof se encontra ainda foragido, apesar da grande operação de busca organizada pela polícia local com apoio de agentes federais. O suspeito é considerado muito perigoso e permaneceu durante quase uma hora entre os fiéis que estudavam a Bíblia na igreja, antes de abrir fogo, afirmou o chefe de polícia de Charleston, Gregory Mullen. A polícia de Charleston divulgou imagens do atirador, obtidas com câmeras de segurança. O suspeito aparece abandonando a igreja em um carro.

    "Trata-se de uma tragédia por que nenhuma comunidade devia ter de passar. Não faz sentido", disse o chefe da polícia. "Vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para encontrar este indivíduo, prendê-lo e ter a certeza de que não voltará a magoar mais ninguém". Um grupo de pessoas fizeram uma oração próximo a igreja. "Nós queremos respostas reais agora," pediu um dos sobreviventes. 

    A igreja Emanuel em Charleston é a mais antiga igreja Metodista Episcopal Africana na região sul dos Estados Unidos. Conhecida por "Mother Emanuel" ("Mãe Emanuel"), reúne uma das maiores e mais antigas congregações afro-americanas ao sul de Baltimore.

    Mais:

    Policiais acusados da morte de jovem negro em Baltimore serão julgados em julho
    Baltimore revela profundidade da discriminação racial nos EUA, diz diplomata russo
    Tags:
    negros, igreja, tiroteio, mortes, vítimas, Baltimore, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar