07:12 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    11293
    Nos siga no

    O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, anunciou nesta segunda-feira (22) que os ministros das Relações Exteriores da União Europeia concordaram em ampliar as sanções contra a Rússia por conta da situação com o opositor Aleksei Navalny.

    Em resposta à declaração de Borrell, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia argumentou que a decisão de impor novas sanções contra Moscou por causa da situação de Navalny é "decepcionante". A chancelaria russa considerou que a adoção de sanções é ilegal.

    "Consideramos categoricamente inaceitáveis ​​as demandas constantemente ilegais e absurdas de 'libertação' de um cidadão da Federação da Rússia que foi condenado por crimes econômicos por um tribunal russo no território de nosso país de acordo com a lei russa", diz a nota da pasta.

    De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, na prática internacional, tais demandas são chamadas de "interferência nos assuntos internos de um Estado soberano".

    A declaração ocorreu após um anúncio anterior do chefe de segurança e política externa da UE, Josep Borrell, de que o bloco havia concordado em ampliar as sanções contra Moscou por causa da situação do opositor Aleksei Navalny.

    "Em resposta aos eventos em torno da situação de Navalny, chegamos a um acordo político para impor medidas restritivas contra os responsáveis por sua prisão, condenação e perseguição", disse Borrell durante uma entrevista coletiva após reunião com ministros das Relações Exteriores da UE.

    O opositor russo Aleksei Navalny durante audiência em tribunal de Moscou, em 5 de fevereiro de 2021.
    © AP Photo / Tribunal do Distrito de Babushkinsky
    O opositor russo Aleksei Navalny durante audiência em tribunal de Moscou

    O opositor russo Aleksei Navalny foi preso em 17 de janeiro, em Moscou, após desembarcar em seu retorno da Alemanha. Ele foi acusado de violar condições de pena suspensa de prisão. Aliados do opositor convocaram ações não autorizadas em apoio a Navalny depois que o ativista foi colocado sob custódia de 30 dias.

    Em 2 de fevereiro, a Justiça da Rússia substituiu a pena suspensa de três anos e meio de prisão por uma pena efetiva. Alguns países como EUA, Alemanha, França e Reino Unido, reagiram à decisão e fizeram um apelo para que o governo russo libertasse Navalny.

    Mais:

    Caso Navalny: Rússia diz que EUA devem respeitar as leis russas
    Novas sanções americanas a empresas russas são 'destrutivas', diz embaixador da Rússia nos EUA
    Chefe da diplomacia da UE diz que Rússia procura dividir o bloco e ameaça Moscou com mais sanções
    Lavrov: Rússia está pronta a cortar relações com UE se houver sanções que criem riscos para economia
    Tags:
    opositor, Aleksei Navalny, assuntos internos, sanções, União Europeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar