16:29 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestastes contra os ataques da coalizão internacional na Síria agitando bandeiras da Síria, Irã e Rússia

    Moscou: plano de estabilização da Síria deve incluir interesses do Irã

    © AP Photo / Hassan Ammar
    Rússia
    URL curta
    5121
    Nos siga no

    O secretário-assistente do Conselho de Segurança da Rússia, Aleksandr Venediktov, declarou neste domingo (16) que espera chegar a um acordo com Israel e os EUA sobre os passos a serem tomados para estabilizar o Oriente Médio e a Síria, em particular.

    Ele agradeceu aos Estados Unidos, afirmando que o país está demonstrando vontade política.

    "Devemos prestar homenagem aos nossos parceiros dos EUA: eles mostraram vontade política suficiente, e agora estamos nos preparando para uma reunião dos secretários dos conselhos de segurança da Rússia, dos Estados Unidos e de Israel, marcada para ser realizada em Jerusalém nas próximas semanas", afirmou.

    O secretário-assistente destacou que o Irã deve fazer parte do processo de estabilização da crise síria.

    "Esperamos que o resultado de nosso trabalho conjunto sejam nossas medidas práticas comuns destinadas a estabilizar a Síria e todo o Oriente Médio. Esse processo deve levar em conta os interesses de todos os atores, incluindo o Irã ", disse Venediktov.

    A Síria vive uma guerra civil desde março de 2011. As forças do governo são confrontadas por facções armadas da oposição e grupos terroristas. Centenas de milhares de pessoas perderam a vida durante o conflito no país árabe.

    A solução para a crise é buscada em duas plataformas. Uma em Genebra, sob os auspícios da ONU, e outra em Astana (capital do Cazaquistão), com apoio da Rússia, da Turquia e do Irã.

    Mais:

    EUA querem que Rússia se junte às pressões contra Irã na Síria
    Trump: Rússia, Síria e Irã devem parar ataques aéreos contra Idlib
    Em meio a ataques à Síria, Netanyahu adverte que Irã será 'ainda mais atingido'
    Tags:
    Crise, EUA, Rússia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar