09:36 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    A lua sobre a torre Spasskaya do Kremlin de Moscou

    Rússia planeja enviar sistema de decolagem para a Lua em 2029

    © Sputnik / Vladimir Sergeev
    Rússia
    URL curta
    6120

    A Rússia planeja lançar o foguete super-pesado Don em 2029 para entregar um complexo de pouso e decolagem à Lua, disse uma fonte da indústria espacial à Sputnik.

    "O objetivo da missão será entregar um complexo de pouso e decolagem à Lua para testar a aterrissagem em sua superfície, a fim de garantir o futuro pouso de cosmonautas russos no satélite natural da Terra", disse a fonte.

    O prospectivo foguete transportador de classe super-pesado Don será capaz de entregar uma carga útil de até 130 toneladas métricas a uma órbita baixa da Terra, e uma carga útil de até 32 toneladas métricas para a órbita lunar.

    Chefe da Roscosmos, Dmitry Rogozin disse na semana passada que a exploração da Lua é uma tarefa prioritária para a corporação espacial russa. A meta foi estabelecida pelo presidente russo, Vladimir Putin.

    Em 28 de novembro, o conselho científico de Roscosmos e a Academia Russa de Ciências deliberaram sobre o conceito de exploração e exame da Lua. A primeira missão lunar tripulada da Rússia é esperada para 2031. Segundo a Roscosmos, a Rússia espera firmar uma base no satélite entre 2036 e 2040.

    No ano passado, a imprensa reportou sobre a descoberta de grandes reservas de água congelada nas regiões polares da Lua. O achado facilitará não só a construção da base lunar, como também ajudará os cientistas a descobrir de que forma a água apareceu no satélite.

    Em janeiro, Rogozin anunciou que Roscosmos poderia criar novas naves espaciais da Federação e, ao mesmo tempo, atualizar a espaçonave Soyuz para voos lunares. Além disso, ele afirmou que a Rússia estava esperando novas posições de negociação com a NASA na estação de órbita da Lua.

    Tags:
    Soyuz, Academia Russa de Ciências, Roscosmos, Vladimir Putin, Dmitry Rogozin, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar