05:34 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Microfone da Rádio Sputnik durante Fórum Internacional Econômico de São Petersburgo

    Embaixada russa: 'Recusa em credenciar jornalistas da Sputnik é politicamente motivada'

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Rússia
    URL curta
    470
    Nos siga no

    A recusa do Canadá em credenciar correspondentes do Sputnik e da RIA Novosti para cobrir a reunião ministerial do Grupo Lima sobre a Venezuela é um "processo politicamente motivado", declarou a assessoria de imprensa da Embaixada da Rússia no Canadá nesta segunda-feira.

    “A decisão do Ministério das Relações Exteriores canadense de negar o credenciamento à mídia russa na reunião do chamado Grupo Lima, realizada em Ottawa, parece vergonhosa e merece uma condenação resoluta. O assédio direcionado às agências de notícias Sputnik e RIA Novosti, bem como ao correspondente da TASS devidamente credenciado no Canadá, contraria o compromisso declarado da parte canadense com a liberdade de expressão e nada mais é do que a perseguição política de jornalistas”, disse em nota a assessoria de imprensa.

    O texto observou ainda que o Canadá deveria interromper a prática de restringir o direito dos jornalistas de cobrir livremente os eventos, sem obstrução ou perseguição.

    "Ottawa deve aplicar a si mesma as mesmas regras e padrões, a observância da qual exige dos outros", acrescentou.

    Mais cedo, os correspondentes da RIA Novosti e Sputnik tiveram credenciais negadas para cobertura da reunião do grupo. Em resposta a um pedido de explicações sobre esse assunto, o porta-voz da reunião do Grupo de Lima, Richard Walker, que também acumula o mesmo posto da missão diplomática canadense, justificou a recusa à Sputnik pela falta de cortesia da agência com a ministra das Relações Exteriores do país.

    O grupo também negou o credenciamento ao canal de televisão interestadual teleSUR, fundada pelo ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

    O presidente do Parlamento de oposição da Venezuela, Juan Guaidó, declarou-se presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro, na esteira de protestos contra o governo. Os Estados Unidos e países aliados declararam seu reconhecimento. O mandatário da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou Guaido de “fantoche dos Estados Unidos”.

    Rússia, China e vários outros países apoiaram Maduro como presidente legítimo da Venezuela. Uma fonte na RIA Novosti em Bruxelas na segunda-feira informou que a Itália havia bloqueado a declaração da UE reconhecendo Guaidó como presidente interino da Venezuela.

    Tags:
    Embaixada da Rússia no Canadá, TeleSUR, TASS, Ministério das Relações Exteriores do Canadá, Sputnik, RIA Novosti, Juan Guaidó, Richard Walker, Hugo Chávez, Ottawa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar