07:38 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Dançarina de traje nacional iacuto durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro

    Torneio de modalidade siberiana promovida por Putin brilha com participação brasileira

    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Rússia
    URL curta
    Ekaterina Nenakhova
    2110

    Um brasileiro, praticante de uma modalidade regional da Sibéria, participando de um mundial no Extremo Oriente da Rússia, pertinho da Coreia do Norte, China e Japão… Parece um cenário bem surrealista. Porém, foi precisamente isso que encontramos ao cobrir o Fórum Econômico Oriental de Vladivostok, que decorre entre 11 e 13 de setembro.

    Além das inúmeras sessões e debates sobre política, economia, demografia, problemas sociais e tecnológicos, o evento tradicionalmente faz questão de organizar um programa cultural e esportivo muito extenso. Para isso, se usa o cais na baía de Ayaks, que fica ao lado da Universidade Federal do Extremo Oriente, palco do fórum que contou inclusive com participação de Vladimir Putin e seus homólogos chinês, japonês e mongol.

    Usain Bolt, grande lenda do atletismo, em uma partida de futebol comemorativa em 10 de junho de 2018
    © AP Photo / Joel C Ryan
    Ao longo da longa margem da baía, onde competem em uma bela dança os melhores veleiros da Rússia, se estende uma exposição enorme que reúne apresentações de todas as regiões consideradas como parte do Extremo Oriente russo, inclusive as de Chukotka, Magadan ou da Região Autônoma Judaica. Um dos estandes mais espetaculares foi construído pela República da Yakútia com patrocínio da empresa regional de exploração de carvão, Kolmar.

    O foco principal dos organizadores foi o inédito campeonato de mas-wrestling, modalidade que poucos conheciam ainda alguns anos atrás, mas que hoje em dia reúne atletas de 46 países do mundo.

    O próprio esporte provém mesmo da Yakútia, onde as temperaturas variam de 60 graus negativos no inverno a 40 graus positivos no verão. Essa é a maior entidade administrativa da Federação da Rússia, equivalente a quase 6 Franças, 10 Itálias e 13 Inglaterras, porém, com pouca densidade populacional devido ao clima severo e aos grandes territórios de pergelissolo.

    ​A modalidade tem regras bem fáceis: dois atletas fazem duas lutas (em caso de empate, são três), sentados um em frente do outro e segurando um bastão de madeira (na língua nacional é "mas" mesmo). Após eles segurarem com o aperto correto, o árbitro dá início à briga, vencida por aquele competidor que conseguir ficar com bastão sem tirar os pés do tabique, algo que divide os atletas e serve como suporte.

    Embora seja ainda um esporte pouco conhecido pelo público, são cada vez mais os atletas e federações nacionais que surgem. Um grande papel nisso foi desempenhado inclusive pelo presidente russo, Vladimir Putin, que se engaja ativamente em desenvolver os esportes típicos das regiões russas e até promove sua ulterior introdução na lista de disciplinas olímpicas.

    Foi nesse mesmo torneio, celebrado também com danças e canções folclóricas do povo iacute e até sorvete grátis feito com uso de carvão, que encontramos Ricardo Gevaerd Nort, entusiástico de mas-wrestling do Brasil e primeiro da América do Sul nessa disciplina. Esta é sua segunda vez na Rússia, depois de Moscou, e ele parece estar adorando a experiência, além de festejar o aniversário em terras que lhe fizeram percorrer 30 horas de avião para lá chegar.

    Ricardo confessa estar envolvido nesse esporte por apenas um ano, tendo anteriormente praticado outro "esporte de força", ou seja, caratê, bem como levantamento de peso e atividades tipo "strongman". Porém, a sua experiência humilde no mas-wrestling não é um obstáculo para que ele esteja entre os seis melhores do mundo, como o campeonato de hoje (12) já o provou.

    "A Rússia quer que se torne popular [essa modalidade] para a incluir nos Jogos Olímpicos. É uma modalidade muito interessante de se ver e fácil para ver quem está ganhando, então é uma disputa de homem e homem, uma luta sem violência. Segura, quem puxa o outro ganhou, não tem muito mistério", brinca o atleta, falando sobre como descobriu e se apaixonou pelo mas-wrestling pela primeira vez.

    "Muito autêntico. Eles sempre mostram a cultura da Yakútia, as danças… Foi esporte que surgiu dos viking, remadores, então quando estavam sem remar ou para selecionarem os melhores, eles faziam com remo e então quem puxava, aí se selecionavam os mais fortes", conta Ricardo, com conhecimento tão profundo do tema que nem todo o russo tem.

    ​O atleta transmite suas melhores impressões da Rússia, assegurando que é muito "diferente" de todo o mundo.

    "Não é ruim, nem bom, é diferente. […] A Rússia é muito peculiar", desabafa. "Eu acho que falta um pouco da Rússia no Brasil, de ordem, etc.", sorri.

    Em um dia cheio de surpresas para a Sputnik Brasil, o Ricardo até acaba ouvindo uns versos em português declamados do palco pelo apresentador russo. Embora seja obra de Fernando Pessoa, pronunciada com bom sotaque lisboeta, aumenta a sensação de feitiço e surrealismo no ar. Como descobrimos depois, o entusiasta, Igor Golutva, estudou a língua de Camões em São Petersburgo, então Leningrado, e trabalhou em Angola. Que coincidência!

    Ricardo Gevaerd Nort, atleta de mas-wrestling do Brasil e primeiro da América do Sul, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Ricardo Gevaerd Nort, atleta de mas-wrestling do Brasil e primeiro da América do Sul, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro

    Em uma conversa com outro brasileiro, Vilmar Silva Oliveira, que é o presidente da Federação de Mas-Wrestling do Brasil, vice-presidente da Federação Internacional e responsável pelo desenvolvimento da modalidade na América do Sul, descobrimos como ele conheceu o esporte há 6 anos e se apaixonou por ele.

    "No Brasil e na América do Sul, normalmente eu promovo cursos e seminários para falar da origem da modalidade. É bom para as pessoas entenderem de onde é, como surgiu, para depois praticarem. Senão, fica uma coisa sem história. Esse trabalho se desenvolve lá no Brasil em escolas, para todas as idades, já promovi em Amazonas, em São Paulo, no Rio, em vários lugares, vários estados, depois — no Uruguai, na Argentina", patilha Vilmar, que administra sua própria academia e revela se ocupar dessa modalidade por puro interesse altruísta, já que por enquanto não traz nem lucros nem compensações.

    • Melhores veleiros russos competem na baía de Ayaks, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Melhores veleiros russos competem na baía de Ayaks, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Exposição de Chukotka durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Exposição de Chukotka durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Atletas de mas-wrestling antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Atletas de mas-wrestling antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Atleta de mas-wrestling russo antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Atleta de mas-wrestling russo antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Atleta de mas-wrestling estadunidense se aquece antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Atleta de mas-wrestling estadunidense se aquece antes das finais do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Sorvete feito com uso de carvão iacuto, sorvete feito com uso de carvão em uma exposição durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok
      Sorvete feito com uso de carvão iacuto, sorvete feito com uso de carvão em uma exposição durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Sorvete feito com uso de carvão iacuto, sorvete feito com uso de carvão em uma exposição durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok
      Sorvete feito com uso de carvão iacuto, sorvete feito com uso de carvão em uma exposição durante o Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Ricardo Gevaerd Nort, atleta de mas-wrestling do Brasil e primeiro da América do Sul, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Ricardo Gevaerd Nort, atleta de mas-wrestling do Brasil e primeiro da América do Sul, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Vilmar Silva Oliveira, presidente da Federação de Mas-Wrestling do Brasil, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Vilmar Silva Oliveira, presidente da Federação de Mas-Wrestling do Brasil, participa do torneio no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Músico iacuto se apresenta durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Músico iacuto se apresenta durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Músicos iacutos se apresentam durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Músicos iacutos se apresentam durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    • Músicos iacutos se apresentam durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      Músicos iacutos se apresentam durante o torneio de mas-wrestling organizado no âmbito do Fórum Econômico Oriental 2018, em Vladivostok, em 12 de setembro
      © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    1 / 12
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Melhores veleiros russos competem na baía de Ayaks, em Vladivostok, em 12 de setembro

    Mas isso não mina o entusiasmo do brasileiro, que afirma não poder esquecer seu primeiro contato com esse esporte. Diz que no início o considerava como uma coisa pequena, mas ficou completamente pasmado quando veio à Sibéria e viu grandes academias com "cinco-seis mil pessoas" e "todo o mundo de pé aplaudindo".

    "Eu achei que era uma coisa pequena, e lá é uma coisa muito grande. Muito importante para eles", exclama ele.

    Mais:

    Festival de música militar Spasskaya Bashnya volta a conquistar a capital russa
    'É Viagra!': como norte-coreanos surpreendem público em exposição na Rússia
    Tags:
    tradição, esporte, Fórum Econômico Oriental (EEF), Olimpíada, república de Yakútia, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik