23:52 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Cosmódromo Vostochny na região de Amur Soyuz-2.1a em preparações de lançamento.

    Após incidente, naves Soyuz passam por checagem

    © Foto: YouTube/Roscosmos
    Rússia
    URL curta
    160

    A empresa russa Energia Rocket and Space Corporation verificará todas as espaçonaves Soyuz e Progress que estão sendo preparadas para lançamentos após o acidente de vazamento de ar na nave espacial Soyuz atracada à Estação Espacial Internacional, disse fonte industrial à Sputnik.

    Nesta segunda-feira (3), Dmitry Rogozin, chefe da corporação espacial russa Roscosmos, disse a repórteres que uma comissão especial foi destacada para a verificação de um possível impacto na sonda da nave Soyuz, na qual um vazamento de ar foi detectado na semana passada.

    "Como parte da investigação em curso sobre as causas do incidente na nave Soyuz MC-09, onde um vazamento de ar foi registrado, o que representou uma ameaça às vidas dos cosmonautas na Estação Espacial Internacional, foi tomada uma decisão de verificar todas […] as espaçonaves Soyuz e Progress, para caso tenham defeitos de fabricação", disse a fonte.

    As checagens começarão na cidade de Korolyov em breve e já na próxima semana no cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. 

    As naves Souyz foram pioneiras na exploração espacial durante o século XX. Por sua eficiência, seguem sendo utilizadas para transporte de cosmonautas de diversos países até hoje. Já as Progress são espaçonaves não tripuladas que reabastecem a Estação Espacial Internacional. Elas também utilizam o veículo de lançamento da Soyuz.

    Mais:

    Europa se despede das naves espaciais russas Soyuz
    Rússia anuncia três lançamentos do foguete Soyuz na Guiana Francesa
    Confira lançamento bem-sucedido do foguete russo Soyuz (VÍDEO)
    Astronauta japonês receia não caber mais no assento da nave espacial Soyuz!
    Tags:
    exploração espacial, Estação Espacial Internacional, Soyuz MC-09, Roscosmos, Dmitry Rogozin, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik