02:58 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    John Bolton na Casa Branca.

    Bolton destaca 'progresso considerável' após reunião de 5 horas entre EUA e Rússia

    © AP Photo / Susan Walsh
    Rússia
    URL curta
    870

    O assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, disse que as conversações com o colega russo Nikolay Patrushev ajudarão a "restaurar as linhas de comunicação" entre Moscou e Washington, mas os dois lados não concordaram com uma declaração conjunta.

    "Fizemos muitos progressos, identificamos certas áreas onde as linhas de comunicação poderiam ser restauradas e mais trabalho feito pelas agências afetadas — o Departamento de Estado, o Departamento de Defesa", declarou Bolton durante a conferência de imprensa após a reunião em Genebra, que durou mais de cinco horas.

    A cooperação diplomática e militar sistemática entre os dois países parou como uma das consequências da Crimeia em 2014 e, desde então, as duas partes comunicaram de forma estreita através da linha de desconexão da Síria. Mas a porta foi aberta durante a cúpula do mês passado em Helsinque, entre Donald Trump e Vladimir Putin, onde os dois líderes propuseram a ideia da reunião de quinta-feira.

    Apesar da amplitude das questões abordadas, da proliferação nuclear e futuros tratados de armas, contra o terrorismo, imigração, Síria e uma posição comum sobre o Irã, durante as respostas opacas de Bolton às questões da mídia, ficou mais fácil identificar "algumas áreas em que discordam permaneceu e não vimos muita utilidade em retomar a discussão".

    Bolton destacou que, em vista das alegações de interferência russa nas eleições dos EUA, os dois países não se envolveriam em nenhuma cooperação cibernética.

    "Deixei claro que não toleraríamos interferir em 2018", acrescentou Bolton.

    A questão também provou ser um obstáculo para qualquer declaração conjunta após as negociações, disse Patrushev.

    De acordo com o chefe do Conselho de Segurança da Rússia, os EUA exigiram que o comunicado dissesse que "a Rússia interferiu nas eleições dos EUA, algo que o Kremlin já negou". Patrushev disse que Moscou concordou em incluir a sentença se, por sua vez, a declaração também diria que "os EUA não devem se intrometer nos assuntos de outras nações", ponto em que a equipe de Bolton desistiu de toda a ideia.

    No entanto, Patrushev observou que a reunião "construtiva" não prosseguiu em um "tom acusatório", e instou a Casa Branca a acompanhar rapidamente as propostas discutidas. Patrushev disse que ele pessoalmente convidou Bolton para visitar a Rússia para a próxima rodada de negociações.

    "Fizemos muitas perguntas um ao outro e precisamos resolvê-los. Precisamos nos reunir não apenas por uma questão de reunião, mas quando estivermos prontos", disse o ex-chefe do FSB à mídia russa.

    Pompeo e Lavrov discutem a Síria

    Além disso, em sua segunda conversa telefônica, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, chamou seu colega russo, Sergei Lavrov, na quinta-feira, para discutir o conflito na Síria e os próximos compromissos internacionais. Os dois realizaram uma reunião paralela com seus presidentes em Helsinque, mas outras conversações no início de agosto tiveram que ser adiadas devido a um confronto de agendamentos, com a expectativa de que novas negociações sejam realizadas em breve.

    De acordo com autoridades russas, os ministros discutiram o destino de vários detidos, com Lavrov pedindo a Pompeo para parar a "perseguição" de Maria Butina, que é acusada pelas autoridades americanas de agir como um agente estrangeiro não registrado, e por um tratamento justo das vítimas, incluindo outros cidadãos russos, como Viktor Bout e Konstantin Yaroshenko.

    Por sua vez, Pompeo perguntou sobre a prisão contínua do cineasta ucraniano Oleg Sentsov, que foi condenado por acusações de terrorismo, e recebeu uma "explicação detalhada" de sua situação legal por Lavrov.

    Mais:

    Rússia adota medidas de resposta às sanções de exportação dos EUA
    Novas sanções dos EUA sobre a Rússia usam falsas alegações, diz chancelaria russa
    Washington congela ações da Rússia nos EUA no valor de centenas de milhões de dólares
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, Sergei Lavrov, Mike Pompeo, Nikolai Patrushev, Vladimir Putin, Donald Trump, John Bolton, Síria, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik