21:11 18 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Estande da Rosoboronexport durante fórum internacional técnico-militar ARMY-2016

    Rússia pensa em abrir mão do dólar nas transações com parceiros da área técnico-militar

    © Sputnik / Alexey Filippov
    Rússia
    URL curta
    390

    A instabilidade do dólar obriga a pensar em outros meios de pagamento com parceiros de cooperação técnico-militar, afirmou em entrevista à Sputnik o diretor da Agência Federal para a Cooperação Técnico-Militar, Dmitry Shugaev.

    "Hoje em dia há muitas perguntas em relação à principal moeda de pagamento nos contratos de exportação — dólar americano. Em primeiro lugar, a que ponto essa moeda é segura […] Não há nenhuma certeza do que será com ela [dólar] amanhã. Toda essa situação em conjunto com sanções, impostas contra nós e nossos parceiros, obriga a pensar na necessidade de procurar outros meios de pagamento", esclareceu.

    Shugaev assinalou que a mudança para moedas nacionais é uma questão que está realmente resolvida, basta esclarecer em quais câmbios poderão ser realizados os pagamentos. Trata-se da diversificação de chegada aos parceiros, levando em conta que muitos países desejam contar com produção doméstica, comprando, ao invés do produto final, tecnologias, acrescentou o entrevistado. 

    "Sendo assim, nossa interação entra no estágio de parceria industrial. Estamos prontos para discutir quaisquer formas da cooperação e para fornecer privilégios, bem como usamos amplamente o sistema de créditos. Porém, é importantíssimo que essas formas sejam mutuamente vantajosas", concluiu o diretor da Agência Federal para a Cooperação Técnico-Militar.

    Mais:

    'Se países do golfo Pérsico criassem uma moeda comum, o dólar iria tremer'
    'Exploração abusiva do dólar como moeda de reserva enfraquecerá posição dos EUA'
    Quando outras moedas fazem questão de se posicionar contra dólar
    'Moscou se torna cada vez mais independente do dólar norte-americano'
    Tags:
    parceiro, sanções, cooperação, dólar, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik