03:56 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Barras de ouro

    Rússia está trocando títulos americanos por ouro, mas onde está armazenando o metal?

    © Sputnik / Vitaliy Bezrukih
    Rússia
    URL curta
    5321

    Dados de junho do Banco Central da Rússia mostram que Moscou adicionou 106 toneladas de ouro a seu estoque de quase 2.000 toneladas nos primeiros seis meses de 2018. A Rússia também despejou grande parte de suas ações dos EUA recentemente. Onde é mais seguro armazenar o material precioso: em casa ou no exterior? A Sputnik encontrou a resposta.

    As reservas de ouro da Rússia subiram para 1.944 toneladas em junho de 2018, contra menos de 500 toneladas apenas uma década atrás. As participações, que somam mais de 17% do total das reservas externas da Rússia, foram reforçadas em parte pela transferência de cerca de US $ 77 bilhões em ações, bônus e notas do Tesouro dos EUA nos últimos seis meses.

    Nos últimos anos, os bancos centrais de vários países rejeitaram a prática há muito aceita de manter seu ouro no exterior. Mais recentemente, o Banco Central turco começou a retirar seu ouro do Federal Reserve dos EUA e enviá-lo de volta para Ancara em um ritmo acelerado. Antes disso, a Holanda, a Alemanha, a Áustria e a Venezuela realizaram movimentos semelhantes, repatriando toda ou parte de suas reservas físicas de ouro de Nova York ou de outros bancos centrais ocidentais. A Hungria e a Bélgica também consideram levar ouro para casa por segurança.

    As operações de repatriamento de ouro não são simples. Em 2013, parte do ouro que deveria ter sido repatriado dos EUA pela Alemanha foi bloquado por supostas "dificuldades logísticas". Quando o Banco Central holandês lançou seu programa de repatriação, eles o fizeram às pressas, cortando suas posses de ouro do Fed em 122,5 toneladas em 2014. Com dificuldades para realizar repatriação da Turquia, o presidente Recep Tayyip Erdogan propôs abandonar os empréstimos em dólar em favor dos "lastreados em ouro" na recente reunião do G20 em abril.

    A Rússia não enfrentará dores de cabeça ao repatriar ouro, pois suas reservas já estão no país. Quase dois terços das ações russas do metal precioso são mantidas no depósito do Banco Central em Moscou. Em 2017, um jornalista do Komsomolskaya Pravda tornou-se o primeiro a visitar a instalação de armazenamento em Moscou, um depósito de 17.000 metros quadrados com barras pesando entre 12 e 13 quilos.

    Depósito Central em Ouro do Banco Central.

    O resto do ouro da Rússia é armazenado em São Petersburgo e na cidade de Ecaterimburgo, nos Urais.

    A Rússia chegou aos cinco maiores países detentores de ouro em fevereiro de 2018. Se a atual tendência de aquisições continuar, o país deve se tornar um dos três maiores detentores de ouro no mundo. A longo prazo, o país poderá superar o recorde da era soviética em 1941, quando tinha 2.800 toneladas de ouro em seus cofres.

    A Rússia é um dos maiores produtores de ouro do mundo. Mais de dois terços do ouro da Rússia são extraídos nas regiões do Extremo Oriente e da Sibéria de Amur, Khabarovsk, Magadan, Irkutsk, Krasnoyarsk e Yakutia; grande parte do restante é extraído nos montes Urais, Karelia e Murmansk. Atualmente, os geólogos estimam que a Rússia tenha cerca de 12.500 toneladas de ouro recuperável ainda por ser extraído.

    Tags:
    Komsomolskaya Pravda, Banco Central da Alemanha, Banco Central da Holanda, Banco Central da Rússia, Departamento de Tesouro dos EUA, Federal Reserve (Fed), G20, Recep Tayyip Erdogan, Yakutia, Magadan, montes Urais, Khabarovsk, Murmansk, Amur, Estados Unidos, Extremo Oriente, Krasnoyarsk, Irkutsk, Karelia, Holanda, Sibéria, Hungria, Áustria, Bélgica, Turquia, Venezuela, Alemanha, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik