09:40 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Pedestres junto com o retrato de Putin, na cidade de Yalta, na Crimeia (foto de arquivo)

    Casa Branca evita comentar possível reconhecimento da Crimeia como parte da Rússia

    © Sputnik / Sergei Malgavko
    Rússia
    URL curta
    770

    A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, não quis comentar sobre a possibilidade de negociações entre Moscou e Washington para reconhecer a Crimeia como parte da Rússia.

    Ao ser consultada pela imprensa sobre a possibilidade de reconhecimento da Crimeia como território russo, Sanders disse: "Não vou comentar nada que se refira às negociações neste momento".

    Em 30 de junho, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que seu país "teria de ver" o que decidiria sobre a Crimeia, depois de ser questionado sobre a possibilidade de Washington reconhecer o referendo realizado na região sobre a reintegração à Rússia.

    Em 2 de julho, em resposta aos comentários do presidente, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse que a questão não fará parte da agenda da reunião de Trump e Putin, a ser realizada no dia 16 deste mês, já que a Crimeia é "parte integrante da Rússia".

    A população da Crimeia, em 2014, votou em massa a favor da reintegração da região à Rússia, meses depois de um golpe de Estado nacionalista em Kiev.

    Os países que apoiaram o golpe recusaram-se a reconhecer o resultado do referendo e impuseram sanções à Rússia e à Crimeia.

    Durante a campanha eleitoral de 2016, o atual presidente dos EUA, Donald Trump, descartou a possibilidade de reconhecer a Crimeia como parte da Rússia, mas desde então reverteu sua proposta.

    Mais:

    'Reincidências de doença': Crimeia comenta legenda ucraniana de ponte no Google Maps
    Google Maps legenda Ponte da Crimeia em ucraniano (FOTO)
    Palavras que não valem nada? Analista sobre o 'reconhecimento' da Crimeia por Trump
    Crimeia adverte Kiev das consequências de exercícios militares perto de sua fronteira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik