06:49 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Policiais investigando o caso do ex-espião russo Sergei Skripal, em Salisbury (Inglaterra), 13 de março de 2018

    Delegação russa na OPAQ: os Skripal foram colocados em coma induzido

    © AP Photo /
    Rússia
    URL curta
    4170

    Representantes russos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) afirmaram que o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia podem ter sido induzidos ao coma para manipular sua saúde.

    A delegação russa na organização acredita que a medida tem também por objetivo deixar a Rússia sem acesso a ambas as vítimas.

    "Para evitar acesso dos especialistas russos a Sergei e Yulia Skripal, médicos britânicos, acreditamos, induziram o pai e filha ao coma o que lhes permitiu colher o material biológico e manipular seu estado de saúde sem consultá-los", diz o comunicado da delegação russa na OPAQ.

    Nesta quarta-feira (18), na sede da OPAQ em Haia decorreu uma reunião especial dedicada ao incidente em Salisbury em que Londres apresentou seu relatório quanto ao caso Skripal. Os representantes russos na organização notaram que o relatório estava repleto de frases incertezas, tais como "muito provável", "é provável que" etc.

    "Nem DSTL [Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa britânico em Porton Down] nem o relatório da Organização para a Proibição de Armas Químicas não identificaram o país ou laboratório que produziu a substância que foi utilizada no ataque", afirmou o representante do Reino Unido à OPAQ, Peter Wilson, quando apresentou o relatório.

    O ex-agente secreto russo Sergei Skripal e sua filha Yulia foram envenenados em março na cidade britânica de Salisbury. O governo britânico acusou Moscou de ter envenenado os dois com um agente nervoso antes de ser realizada investigação oficial. Ambas as vítimas recuperaram a consciência em abril, mas seu destino está guardado em segredo pelo Reino Unido.

    Logo após o incidente, o Reino Unido anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos. Desde então, mais de 25 países expulsaram seus próprios diplomatas russos "em solidariedade" a Londres. Moscou negou ter qualquer papel no envenenamento, apontando para a falta de evidências fornecidas por Londres para fundamentar suas acusações.

    Mais:

    Senador russo: G7 deveria questionar Londres sobre envenenamento de Skripal
    Conexão entre caso Skripal e ataque químico na Síria tem lógica, diz embaixador russo
    Tags:
    investigação, envenenamento, OPAQ, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Haia, Rússia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar