12:19 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev

    Premiê russo sugere que Moscou proíba produtos dos EUA em resposta às sanções

    © Sputnik / Dmitry Astakhov
    Rússia
    URL curta
    8284

    Moscou pode proibir produtos norte-americanos como parte de uma resposta às mais recentes sanções impostas por Washington, sugeriu o primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev.

    "Estes podem ser não apenas os títulos americanos […] mas também toda uma série de outros bens que são entregues ao mercado russo ou produzidos por empresas americanas no território de nosso país", disse Medvedev, respondendo a perguntas da Duma russa na quarta-feira.

    O primeiro-ministro russo afirmou que a possível resposta de Moscou às novas sanções de Washington deveria ser adequada e medida. "As medidas de resposta devem ser bem calculadas, não devem nos prejudicar, devem ser adequadas", continuou.

    A Rússia e os EUA não têm acordos comerciais, mas ambos os países são membros da Organização Mundial do Comércio (OMC). O comércio entre os dois países chegou a US$ 24 bilhões até o final de 2017, dos quais US$ 17 bilhões foram exportados para a América.

    A Rússia fornece petróleo, metais, combustível nuclear, fertilizantes minerais e peixes para os EUA, enquanto compra principalmente aviões, motores de aeronaves e componentes da Boeing. Antes das sanções, a Rússia também estava comprando equipamentos de perfuração de petróleo dos EUA.

    A administração de Donald Trump emitiu uma lista expandida de sanções na sexta-feira passada, visando empresários e empresas russas.

    Mais:

    Quanto vale a amizade? Novas sanções dos EUA contra Rússia custarão bilhões para Alemanha
    Moscou sobre colapso bolsista: mercado russo deve se adaptar às novas sanções
    EUA impõem sanções contra 38 indivíduos e entidades russas
    Tags:
    diplomacia, economia, comércio, guerra de sanções, sanções econômicas, OMC, Dmitry Medvedev, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik