14:39 19 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Rose Gottemoeller, secretária-adjunta para Controle de Armas e Segurança Internacional dos EUA. Foto de 2012

    Vice-chefe da OTAN: 'Queremos categoricamente evitar o confronto com a Rússia'

    © AP Photo / Sergey Ponomarev
    Rússia
    URL curta
    22313

    A vice-secretária-geral da OTAN, Rose Gottemoeller, afirmou que a aliança não deseja enfrentar conflitos militares com a Rússia, mas ainda atribui a Moscou um "padrão perturbador de comportamento", da Ucrânia a Salisbury.

    "Nós queremos categoricamente evitar uma situação em que o confronto com a Rússia seja inevitável. E é exatamente por isso que nossa tomada de decisão é governada", disse Gottemoeller ao jornal russo Kommersant, em uma entrevista publicada em russo na terça-feira.

    No entanto, sua mensagem estava longe de ser reconciliatória: "Mas não podemos deixar de responder aos atos ilegais da Rússia: da anexação da Crimeia à desestabilização no Donbass, à interferência eleitoral ou aos últimos acontecimentos no Reino Unido".

    A OTAN aumentou a sua presença nos países Bálticos, na Polônia e no mar Negro nos últimos anos, aumentando a sua força de ataque para 40.000 soldados. A aliança está citando o alegado "uso da força contra seus vizinhos" pela Rússia, após o referendo da Crimeia de 2014, que resultou na separação da região da Ucrânia e na reunificação com a Rússia. E também está acusando Moscou de apoiar as regiões rebeldes de Lugansk e Donetsk, no leste da Ucrânia.

    Gottemoeller, uma diplomata dos EUA que é vice-presidente da OTAN desde 2016, disse que a resposta da aliança tem sido "bem calibrada, proporcional e defensiva em sua natureza", mas recusou-se a descartar o aumento do número de tropas da OTAN na Europa Oriental ou negar que a Rússia continua sendo o principal adversário do grupo.

    Mesmo com os protestos de Moscou, Gottemoeller afirmou que a OTAN "não tem motivos para duvidar" da sugestão do Reino Unido de que a Rússia esteja por trás do envenenamento do ex-agente duplo Sergei Skripal, no mês passado, em Salisbury.

    Apesar dos resultados inconclusivos dos testes químicos, a funcionária disse que o Reino Unido tinha "outras fontes de informação" para justificar acusar Moscou e acrescentou que a OTAN deve "demonstrar solidariedade e uma única posição", enquanto também acusava a mídia russa de "executar uma campanha de propaganda".

    Em meio a um crescente risco de confronto direto entre as forças russas e da OTAN na Síria, Gottemoeller expressou esperança de que as negociações envolvendo o chefe do Estado-Maior da Rússia, Valery Gerasimov, e o Comando Supremo Aliado da Europa, Curtis Scaparrotti, ajudariam a "transparência, previsibilidade e ajuda a evitar incidentes".

    Mais:

    República Sérvia sobre manobras da OTAN: 'Que treinem em algum outro lugar'
    'Busque na Internet': chefe da OTAN recusa falar sobre missões nucleares do bloco
    Stoltenberg: OTAN não pretende isolar Rússia
    Tags:
    segurança, defesa, guerra, ameaça, russofobia, OTAN, Sergei Skripal, Curtis Scaparrotti, Valery Gerasimov, Rose Gottemoeller, Donbass, Crimeia, Salisbury, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik