11:33 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    O primeiro aperto de mão entre os presidentes Trump e Putin

    Rússia e EUA: um nível de tensão 'insuportavelmente perigoso'

    © REUTERS . Steffen Kuggler/Governo Federal da Alemanha
    Rússia
    URL curta
    4152

    As relações entre a Rússia e os EUA atingiram um nível de tensão tão alto que o risco de conflito entre esses países no Oriente Médio, na Ucrânia ou na Ásia Oriental se tornou “insuportavelmente perigoso”, declarou o presidente da Conferência de Segurança de Munique, o diplomata alemão Wolfgang Ischinger.

    "Do ponto de vista geoestratégico, a situação hoje é mais perigosa do que em algum outro período desde a Guerra Fria. Temos sorte que ainda não aconteceu nenhuma colisão entre navios russos e norte-americanos ou entre seus aviões, o que ameaçaria agravar o conflito", disse ele ao jornal Munchner Merkur, acrescentando que o nível de confiança entre o Pentágono e o Ministério da Defesa russa atingiu o zero.

    Ischinger manifestou a sua preocupação relativamente ao futuro do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) de 1987, assinado pelos EUA e URSS. Segundo ele, se o tratado for cancelado, não existirá mais controle algum de armas nucleares. Isso seria uma catástrofe, sublinhou o diplomata.

    Segundo ele, a falta de confiança se manifestou ainda durante a presidência de Barack Obama, que em um dos seus discursos chamou a Rússia de "potência regional".

    "Acho que isso ofendeu Vladimir Putin. Parece-me que depois dessas palavras ele decidiu fazer tudo o que for possível para que essas palavras nunca se repitam em Washington", explicou Ischinger.

    Em 14 de dezembro, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou durante sua coletiva de imprensa anual que os EUA tinham de fato abandonado o Tratado INF, relembrando que a Rússia não saiu dos tratados básicos que constituíram a pedra angular da segurança internacional, inclusive dos acordos sobre defesa antimísseis, enquanto os EUA os abandonaram de forma unilateral.

    Tags:
    relações bilaterais, Donald Trump, Barack Obama, Vladimir Putin, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik