14:08 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente rússo, Vladimir Putin, duranta coletiva de imprensa conjunta com Sergio Mattarella, presidente da Itália

    Putin sobe o tom: novas sanções dos EUA são 'cínicas' e destroem a lei internacional

    © Sputnik/ Aleksei Druzhinin
    Rússia
    URL curta
    45301

    A nova rodada de sanções dos Estados Unidos contra a Rússia é “extremamente cínica” e são apenas uma forma de Washington buscar vantagens econômicas por meio da política, afirmou o presidente russo Vladimir Putin.

    “Será particularmente lamentável porque isso seria um ato de agravamento e cinismo excepcional”, afirmou o líder da Rússia ao analisar a possível implementação das medidas antirrusas por parte da Casa Branca.

    “É uma tentativa óbvia [dos EUA] usar suas vantagens geopolíticas na luta competitiva com o objetivo de garantir seus interesses econômicos à custa de seus outros aliados”, emendou Putin, demonstrando irritação com a postura do governo de Donald Trump.

    Segundo Putin, a aplicação extraterritorial da legislação dos EUA é inaceitável, pois leva ao colapso do sistema de relações internacionais.

    “Quanto à natureza extraterritorial da legislação dos EUA, tenho falado sobre isso há muito tempo, a partir de 2007… Esta prática é inaceitável, destrói as relações internacionais e o direito internacional”, afirmou.

    “Nós nunca concordamos com isso e nunca concordaremos. Quanto à forma como outros Estados reagem a isso, depende do grau de sua soberania e da prontidão para defender seus próprios interesses nacionais”, sublinhou Putin.

    “Imprudência”

    O presidente advertiu que Moscou já está ficando sem paciência com a “imprudência” de Washington.

    “Como você sabe, nosso comportamento é muito moderado, paciente, mas, em algum momento, teremos que apresentar uma resposta. É impossível suportar indevidamente a imprudência em relação ao nosso país”, disse Putin.

    Ele disse que Moscou “ainda não viu a versão final (da legislação de sanções dos EUA), é por isso que não temos uma opinião final sobre a questão”. “Mas vemos isso por um longo período de tempo [houve] constantes tentativas de nos provocar”, acrescentou o líder russo.

    Putin acrescentou que, como com a expulsão de diplomatas russos dos EUA pela administração extrovertida de Obama, “as sanções são ilegais em termos de direito internacional. Eles violam os princípios do comércio internacional e as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC)”.

    Na terça-feira, foi aprovado pela Câmara dos Deputados dos EUA o último pacote de sanções, visando as principais indústrias de defesa, mineração, transporte marítimo e ferroviário da Rússia.

    As restrições também incluem penalidades para as empresas europeias envolvidas em projetos conjuntos de energia da União Europeia (UE) com a Rússia, sendo o gasoduto Nord Stream 2, da companhia russa Gazprom, o alvo mais provável das novas sanções.

    As novas restrições impostas por Washington causaram indignação não só em Moscou, mas também em Bruxelas.

    Os principais funcionários da UE, incluindo o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, criticaram as sanções como unilaterais e uma ameaça à segurança energética europeia, prometendo apresentar medidas de retaliação.

    Mais:

    Putin visita Finlândia pela passagem dos 100 anos de independência do ex-grão-ducado russo
    Vladimir Putin nomeia novo embaixador da Rússia na ONU
    Nova onda de sanções antirrussas fará 'desamigar' o próprio Ocidente?
    Tags:
    sanções econômicas, relações bilaterais, política, diplomacia, OMC, Kremlin, Casa Branca, Donald Trump, Vladimir Putin, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik