04:28 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente rússo, Vladimir Putin, duranta coletiva de imprensa conjunta com Sergio Mattarella, presidente da Itália

    Rússia possui dados sobre provocações com uso de armas químicas em preparação na Síria

    © Sputnik/ Sergei Guneev
    Rússia
    URL curta
    496744814

    Hoje (11),durante a coletiva de impensa conjunta com presidente italiano Vladimir Putin declarou que a Rússia dispõe de informações de que estão sendo preparadas novas provocações com uso de armas químicas na Síria, inclusive em Damasco.

    "Temos informações de várias fontes que provocações, não há outra forma de dizer, parecidas estão sendo preparadas nos subúrbios do sul de Damasco, onde estão planejando mais uma vez jogar uma substância e depois acusar autoridades sírias de usá-la", disse Putin a jornalistas

    Além disso, o líder russo destacou que os últimos acontecimentos lembram muito os do ano de 2003, quando os EUA começaram sua campanha no Iraque.

    "Discutimos isso com presidente italiano. Eu disse que para mim tudo lembra muito os acontecimentos de 2003, quando representantes dos EUA mostraram no Conselho de Segurança da ONU arma química encontrada legalmente no Iraque. Logo depois começou a campanha no Iraque e tudo acabou com destruição do país e aumento da ameaça terrorista, surgimento do Daesh [grupo terrorista, proibido na Rússia] na arena internacional", disse Putin.

    Para descrever a situação Putin usou frase de livro soviético famoso: "Que chato, galera!"

    Ao falar sobre o presidente norte-americano, Vladimir Putin afirmou que a Rússia está pronta para ser paciente e espera que a situação tenha final positivo.

    Mais:

    Que pode fazer a Rússia para conter mísseis norte-americanos na Síria?
    Senador russo compara ataque dos EUA com início da intervenção no Iraque e Iugoslávia
    Político norte-americano propõe dividir Líbia em 3 partes
    Tags:
    invasão, ataque químico, Daesh, Iraque, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik