04:47 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Panorama fascinante das ilhas Curilas

    Se Putin e Abe alcançarem acordo de paz, terão merecido o Nobel da Paz

    © Sputnik / Sergey Krivosheyev
    Rússia
    URL curta
    451

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, considera a conclusão de um acordo de paz com o Japão como o objetivo mais importante das relações bilaterais. O desenvolvimento da cooperação econômica deve servir como meio para alcançar este objetivo.

     "Se alguém pensar que estamos interessados somente na promoção de laços econômicos e que o acordo de paz é relegado a segundo plano, isso não é assim. Em minha opinião, a conclusão do acordo de paz é o objetivo mais importante, porque isso irá criar para nós condições para uma interação de longo prazo em perspectiva histórica", sublinhou Putin, apelando à transformação das Curilas do Sul de "pomo de discórdia" em fator de progresso no caminho para a cooperação de longo prazo.

    Segundo disse Putin, se ambas as partes derem "os passos certos para realizar o plano proposto pelo primeiro-ministro — ele propôs criar uma estrutura independente para as atividades econômicas nas ilhas, assinar um acordo intergovernamental e elaborar um mecanismo de interação", então nessa base é possível criar condições tais que nos permitam atingir uma decisão final sobre o acordo de paz. Ao mesmo tempo, Shinzo Abe admitiu que "a posição de princípio do Japão sobre as quatro ilhas do norte (a cadeia das ilhas Curilas) permanece inalterada, mas as atividades econômicas conjuntas não prejudicam essa posição".

    Valery Kistanov, chefe do Centro de Estudos Japoneses do Instituto do Extremo Oriente, disse à Sputnik Japão que "para Abe não há uma decisão mais importante do que a resolução dessa questão. Claro que ele tem outros problemas, tarefas e objetivos. Há questões sobre o futuro das relações com os EUA. Há questões territoriais com a Coreia do Sul e a China, mas não parece que haja alguma solução para essas questões. E a minha opinião pessoal é que, se Putin e Abe assinarem algum dia um tratado de paz, este ato será digno do Prêmio Nobel da Paz".

    Segundo instruções dos dois líderes, os ministérios das Relações Exteriores e outros ministérios de ambos os países vão trabalhar em conjunto para estudar a questão das condições e da forma das atividades econômicas conjuntas nas quatro ilhas Curilas do Sul. Isso se aplica à pesca, maricultura, turismo, medicina, ecologia e outras áreas. As atividades serão realizadas com base na legislação russa, mas se espera que seja elaborada alguma forma de administração conjunta.

    "A subida da montanha com passos pequenos" foi como descreveu os acordos atuais sobre atividades econômicas conjuntas nas ilhas Curilas o deputado do conselho da cidade de Vladivostok, Sergei Kovalev. Segundo disse ele, "o alargamento do sistema TOR (zona econômica especial), com regime de investimento preferencial, às ilhas iria contribuir para a rápida atração dos empresários japoneses, em particular na indústria de processamento de peixe".

    Ele também propõe "ter em conta a importância das ilhas Curilas como centro de turismo e de pesquisa científica. A criação de um cluster de lazer, bem como a extração de recursos minerais e a indústria de pesca devem ser uma prioridade na cooperação". Ao mesmo tempo, ele observou que não obstante a posição oficial de Tóquio, o governo russo precisa desenvolver por si próprio o potencial econômico tanto das ilhas Curilas como do Extremo Oriente russo em geral.

    O especialista do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, Konstantin Vodopyanov, pensa que os resultados da cúpula Rússia-Japão são intermédios:

     "Ainda não há nada de específico, e não está claro de que maneira tudo isso será formalizado. Não se sabe se as elites dos dois países, especialmente a elite do Japão, irão apoiar os atuais acordos. Porque a oposição à linha de Abe no país é muito séria, na verdade, não há um lobby pró-russo, mas a política pró-americana ainda é muito forte. Portanto, devemos reconhecimento a Abe, que apesar do descontentamento dos EUA estava determinado a realizar estas negociações".

    Ele apontou que "isso significa uma forte intenção de fazer um avanço na direção da Rússia. E isso é bom: em qualquer caso, conversar é melhor do que não o fazer. Esta é a primeira visita do presidente russo ao Japão em 10 anos. E este é um momento muito apropriado para as negociações. Agora os gestos generosos que Abe demonstra indicam um forte interesse em continuar o diálogo com a Rússia. Claro que a Rússia também irá se beneficiar disso, porque quer atrair negócios japoneses para o desenvolvimento do Extremo Oriente, para diversificar suas relações econômicas no Oriente, etc., etc. E, como frisou o presidente, só uma cooperação econômica realmente profunda pode criar uma atmosfera de confiança, aquela base em que é possível resolver as questões de delimitação territorial, partindo de princípios que definam que seja de forma justa e fundamentada em termos de viabilidade para as relações bilaterais e internacionais".

    A visita do presidente Vladimir Putin ao Japão resultou não somente em acordos políticos, mas também em numerosos acordos econômicos entre empresas russas e japonesas. Isso se refere tanto à cooperação nos setores de matérias-primas, como na indústria e no setor de altas tecnologias. O volume de investimentos japoneses, apenas conforme os contratos assinados, pode atingir 2,5 bilhões de dólares.

    Mais:

    Rússia e Japão: compromisso inevitável ou impossível?
    Mídia: Japão não exclui colocar bases americanas nas Curilas
    Putin: relações sino-russas devem ser um exemplo para Japão
    Putin qualifica de anacronismo ausência de tratado de paz com o Japão
    Japão quer Rússia exercendo protagonismo na resolução da crise síria
    Tags:
    interação, longo prazo, disputa territorial, cooperação econômica, relações bilaterais, acordo, investimentos, Prêmio da Paz, Shinzo Abe, Vladimir Putin, Ilhas Curilas, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik