19:41 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Reunião de cúpula do G7 na cidade de Kruen, Alemanha, 8 de junho, 2015.

    Lavrov sobre ameaças do 'G6': 'Estão num beco sem saída'

    © REUTERS/ Kevin Lamarque
    Rússia
    URL curta
    5203

    Segundo o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês François Hollande e outros líderes ocidentais, ou seja, o chamado G6 (G7 sem Japão), divulgou alguns dias atrás uma declaração que contém acusações e ameaças em relação à Rússia.

    ''Esta declaração do G6 continha muitas coisas, inclusive acusações diretas de crimes de guerra e incluindo ameaças a todos os que apoiam o governo sírio. Penso que [isso está relacionado com] o beco sem saída [no qual está o Ocidente] e com a incapacidade dos nossos parceiros ocidentais de acalmar os que eles apoiaram, criaram e armaram com o único objetivo de alterar o regime na Síria'', disse Lavrov aos jornalistas.

    O chanceler russo considera que os líderes ocidentais se enganaram de novo apoiando extremistas para derrubar Bashar Assad.

    ''Depois de este objetivo ter sido atingido, contavam tratar também das organizações extremistas. Mas isso nunca acontece, é um erro que os nossos parceiros ocidentais cometem repetidamente'', acrescentou Lavrov.

    Ele afirmou que tais ações levaram à criação da Al-Qaeda, do Daesh e agora se está reforçando mais um grupo – a Frente al-Nusra.

    Na declaração divulgada em 7 de dezembro, os líderes ocidentais apelaram a uma trégua imediata em Aleppo e expressaram sua disposição para considerar a introdução de mais sanções contra os que agem nos interesses do governo de Assad.

    Mais:

    Lavrov: OTAN descumpre obrigações de segurança na Europa
    Lavrov: EUA podem estar protegendo a Frente al-Nusra como ferramenta para afastar Assad
    Kerry e Lavrov discutem situação humanitária de Aleppo
    Tags:
    ameaças, acusações, sanções, Síria, Ocidente, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik