22:15 10 Dezembro 2016
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping durante o encontro bilateral em Kremlin, Moscou, Rússia, maio de 2015

    Rússia conduz política ativa no Oriente e busca cooperar com nova administração nos EUA

    © Sputnik/ Agência Fotohost
    Rússia
    URL curta
    141231

    Rússia está pronta para cooperar com a nova administração dos Estados Unidos da América, pois é importante desenvolver relações de forma igualitária; o diálogo russo-americano faz parte dos interesses de todo o mundo, disse na quinta-feira (01) o presidente russo, Vladimir Putin, falando à Assembleia Federal.

    No início de novembro, o republicano Donald Trump venceu as presidenciais dos EUA.

    "A Rússia está pronta para cooperar com a nova administração de Trump. É de extrema importância desenvolver as relações bilaterais de forma igualitária e mutuamente benéficas. A cooperação entre a Rússia e os EUA na resolução de questões globais e regionais faz parte dos interesses de todo o mundo. Dividimos uma responsabilidade: garantir a segurança e a estabilidade internacional", disse Putin.

    O presidente da Rússia também observou que as tentativas de quebrar a paridade estratégica são extremamente perigosas e podem levar a uma catástrofe global.

    "Não podemos nos esquecer disso nem por um segundo", acrescentou Putin.

    Por que a Rússia está conduzindo uma política ativa no Oriente?

    A política da Rússia no Oriente não é apoiada em razões oportunistas ou no agravamento das relações com os EUA, mas sim no progresso em longo prazo do país, afirmou o presidente russo, Vladimir Putin.

    "Mais uma vez, gostaria de sublinhar que a política oriental ativa da Rússia não está relacionada a razões oportunistas, nem mesmo ao esfriamento das relações com os EUA ou a UE, mas sim é apoiada nos interesses nacionais de longo prazo e no desenvolvimento global".

    Em particular, o presidente destacou a cooperação sino-russa como modelo de cooperação mutuamente benéfica.

    "Nas difíceis condições atuais, um dos fatores principais que garantem a estabilidade global e regional é a parceria estratégica sino-russa e a cooperação global", disse Putin.

    Ele sublinhou que cooperação com a China "defende uma relação de ordem mundial, construídas não nos princípios de dominação por uma parte, não importando quão poderosa seja, mas na harmonia dos interesses de todos os Estados".

    "Hoje, a China ocupa a posição de maior economia do mundo. É importantíssimo que, a cada ano, sejam agregados à nossa cooperação novos grandes projetos em diferentes áreas: comércio, investimento, energia e tecnologia de ponta".

    Além disso, a Rússia almeja alcançar um avanço qualitativo nas relações com o Japão, disse o presidente russo, Vladimir Putin, durante seu discurso à Assembleia Federal.

    "Queremos o progresso qualitativo nas relações com nosso vizinho oriental, o Japão. Saudamos as tentativas do governo japonês no desenvolvimento de laços econômicos com a Rússia, pôr em prática projetos e programas conjuntos", disse Putin.

    Confira os trechos mais importantes da fala de Putin

    Mais:

    Vice-premiê da Turquia destaca papel da Rússia no sucesso da operação turca na Síria
    Lavrov revela o real motivo do deslocamento de mísseis Iskander na Rússia
    EUA querem criar nova estrutura para conter a 'influência secreta' da Rússia
    EUA não entregam ajuda a Aleppo e culpam Rússia
    EUA: ONU deve usar outras ferramentas se Rússia vetar resolução sobre a Síria
    Tags:
    segurança internacional, relações estratégicas, política externa, cooperação bilateral, estabilidade, Assembleia Federal, Donald Trump, Vladimir Putin, China, EUA, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik

    Em foco