14:22 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9404
    Nos siga no

    Altos funcionários dos EUA e de Israel gastaram décadas declarando que o Irã estaria próximo de alcançar a capacidade fabricar de armas nucleares. Agora, o país estaria a apenas um "mês" ou "semanas" do objetivo.

    O Irã vai ter urânio altamente enriquecido suficiente para construir uma arma nuclear em apenas um mês, segundo relatório do Instituto para Ciência e Segurança Internacional (ISIS, na sigla em inglês), um think tank baseado em Washington.

    "A estimativa mais desfavorável, que é definida como o tempo necessário para produzir o WGU [urânio militar] suficiente para uma arma nuclear, é de apenas um mês. O Irã poderia produzir uma segunda quantidade significativa de WGU em menos de três meses [...] Ele poderia produzir uma terceira quantidade em menos de cinco meses, onde seria preciso produzir parte do WGU a partir de urânio natural", alertou o relatório.

    O documento aponta para uma recente estimativa da Agência de Energia Atômica Internacional, que indica que o Irã produziu 10 quilos de "urânio enriquecido a 60%, uma quantidade significativa" para construir um explosivo nuclear, segundo o ISIS.

    Os especialistas consideram o urânio com taxa de enriquecimento de aproximadamente 90% adequado para construção de armas nucleares.

    A bomba nuclear lançada pelos EUA em Hiroshima em 1945 tinha um nível de enriquecimento de 80%.

    O ISIS sugere que as atividades de enriquecimento do Irã e a produção de urânio enriquecido a 60%, ou urânio altamente enriquecido, é "um passo-chave no tradicional processo faseado de elevação do urânio a 90% ".

    "O urânio enriquecido a 60% pode ser usado diretamente em armas nucleares, onde a quantidade necessária é de aproximadamente 40 quilos, comparado aos 25 quilos de 90% de material enriquecido necessário. O acúmulo iraniano de urânio enriquecido a 60% permanece sendo um passo altamente provocativo e perigoso", relata.

    O think tank admite que não há evidências de que o Irã está deliberadamente buscando armas nucleares, indicando que o país só trabalharia para produzir urânio enriquecido a 90% "caso os líderes do país tenham pedido a produção ou construção de armas nucleares".

    O Reino Unido, a Alemanha, a China, a Rússia, os EUA, a França e o Irã assinaram em 2015 o JCPOA, que garantia o cancelamento das sanções em troca da limitação do programa nuclear do Irã.

    No entanto, sob a então presidência de Donald Trump (2017-2021) os EUA saíram do acordo em 2018 e impuseram sanções ao país persa, levando o Irã a começar a contornar gradualmente os termos do acordo em 2019. Apesar de Joe Biden assumir a presidência dos EUA em janeiro de 2021 e retirar algumas sanções, ele também impôs novas restrições às transações com Teerã, sem mudar significativamente a situação.

    Mais:

    AIEA critica Irã por bloqueio de investigações e diz que confiança 'diminuiu significativamente'
    Irã está pronto para atacar terroristas no norte do Iraque, afirma comandante
    Marinha do Irã anuncia volta 'para casa com sucesso' de embarcações que navegavam pelo mar Báltico
    Tags:
    urânio, urânio enriquecido, enriquecimento de urânio, Irã, armas nucleares, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar