08:32 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1172
    Nos siga no

    Primeiro-ministro iraquiano Mustafa Al-Kadhimi reiterou que Bagdá não necessita tropas de combate, nem americanas nem de outros países, em seu solo para se defender.

    "Não há necessidade de quaisquer forças de combate estrangeiras em solo iraquiano", cita Associated Press suas palavras antes das negociações com o presidente dos EUA Joe Biden na segunda-feira (26).

    Sugerindo que um "calendário especial" para a retirada seria necessário para prover a prontidão de forças do Iraque de combater os terroristas remanescentes independentemente, o premiê ressaltou que a criação de tal calendário vai depender dos resultados das negociações de hoje (26), as quais serão as quartas sobre o assunto.

    O primeiro-ministro iraquiano especificou que "nenhumas tropas de combate" não significa nenhumas tropas estrangeiras de qualquer tipo, e indicou que Bagdá ainda "quer" o suporte dos EUA às forças do Iraque em áreas como o treinamento de tropas e ajuda no desenvolvimento de "sua eficiência e capacidades e em cooperação de segurança".

    Parlamento quer retirada total

    O parlamento do Iraque emitiu uma resolução para expulsar todas as forças dos EUA e da coalizão do país em janeiro de 2020, na sequência do assassinato do comandante da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, o major-general Qassem Soleimani, no aeroporto de Bagdá.

    Em Balad, no Iraque, soldados observam um caça F-16 em base militar dos Estados Unidos durante uma cerimônia de entrega das aeronaves, em 20 de julho de 2015
    © REUTERS / Thaier Al-Sudani
    Em Balad, no Iraque, soldados observam um caça F-16 em base militar dos Estados Unidos durante uma cerimônia de entrega das aeronaves, em 20 de julho de 2015

    Em meio às demandas dos legisladores e à deterioração da situação de segurança, o Pentágono reduziu gradualmente durante era Trump suas tropas de um máximo de 5.300 soldados e entregou algumas bases ao Iraque em 2020, mas se recusou a sair completamente. Até o fim do mandato de Donald Trump, os Estados Unidos cortaram o número de tropas para 2.500 soldados no Iraque e outros tantos no Afeganistão.

    Antes da visita do premiê a Washington, as forças de segurança do Iraque demonstraram sua capacidade de realizar de maneira independente operações contra os remanescentes do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), derrubando um drone dos terroristas no oeste do país e capturando quatro fortalezas jihadistas na região de Kirkuk, com estoques de armas e outros equipamentos.

    O Iraque e os Estados Unidos estabeleceram mecanismos formais para a retirada em abril, mas sem determinação de um prazo final.

    Muitos legisladores e milícias das Forças de Mobilização Popular do país exigem que os EUA se comprometam firmemente a retirar suas tropas, ameaçando atacar as forças americanas se Washington não o fizer atempadamente.

    Mais:

    Ex-presidente dos EUA George W. Bush diz que retirada de forças do Afeganistão 'é um erro'
    Realocação de tropas dos EUA para países vizinhos do Afeganistão é inaceitável para Rússia, diz MRE
    Afeganistão deixado por tropas dos EUA: avanço do Talibã
    Tags:
    Iraque, EUA, tropas, tropas estrangeiras
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar