01:39 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2162
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia exortou neste sábado (8) as partes em conflito em Jerusalém Oriental a evitarem uma nova escalada de violência na região.

    "Pedimos a todas as partes que se abstenham de quaisquer medidas que possam provocar uma escalada da violência", diz o comunicado da chancelaria russa.

    De acordo com a nota, Moscou está preocupada com a evolução da situação em Jerusalém Oriental e condena veementemente os ataques perpetrados contra civis.

    Forças de segurança israelenses avançam, em meio a confrontos com manifestantes palestinos, em direção à Mesquita al-Aqsa em Jerusalém, 7 de maio de 2021
    © AFP 2021 / Ahmad Gharabli
    Forças de segurança israelenses avançam, em meio a confrontos com manifestantes palestinos, em direção à Mesquita al-Aqsa em Jerusalém, 7 de maio de 2021

    A Rússia reiterou a sua posição, refletida nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU, segundo as quais a expropriação de terras e propriedades, bem como o estabelecimento de assentamentos nos territórios palestinos ocupados por Israel, incluindo Jerusalém Oriental, não têm força legal.

    "Tais ações representam uma violação do direito internacional e impedem a obtenção de uma solução pacífica baseada na criação de dois Estados - Palestina e Israel - dentro das fronteiras de 1967, que coexistem em paz e segurança", conclui a nota.

    Os planos de despejo no bairro disputado de Sheikh Jarrah levaram a violentos confrontos em Jerusalém Oriental. Os confrontos começaram depois que os militares israelenses impediram um ataque em frente às casas de onde o tribunal ordenou o despejo de 28 famílias.

    Mais:

    Milícias palestinas lançam foguetes de Gaza para o sul de Israel
    Mídia: revertendo política 'pró-Israel' de Trump, EUA restauram US$ 150 milhões em ajuda à Palestina
    Israel fecha zona de pesca da Faixa de Gaza em resposta a foguetes palestinos
    Tags:
    Moscou, Rússia, violência, Jerusalém, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar