01:57 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    O presidente do Chade, Idriss Déby Itno, escreveu no Twitter nesta segunda-feira (15) que enviaria 1.200 soldados para a zona das "três fronteiras" entre Níger, Mali e Burkina Faso.

    Idriss explicou que a ação é parte da luta do grupo G5 Sahel — grupo de países formado por Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger — contra os jihadistas na região.

    ​Este é o lugar para saudar e agradecer o compromisso de todos os nossos parceiros internacionais que estão trabalhando para fortalecer as capacidades operacionais das nossas Forças Armadas nacionais e da Força Conjunta G5 Sahel, através do envio de contingentes armados e logística.

    Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia, Níger e França estão conversando sobre o futuro de sua campanha contra os insurgentes que assolam a região do Sahel, que, de acordo com a ONU, matou milhares e desabrigou mais de 2 milhões de pessoas.

    ​Os ministros da Defesa do grupo regional visitaram as tropas programadas para o destacamento no seu posto atual na cidade nigeriana de N'Guigmi, perto da fronteira com o Chade, mostrou a televisão estatal do país, segundo publicou a AFP.

    O Chade prometeu repetidamente enviar tropas para a região das "três fronteiras", mas sem seguir adiante com o plano até o momento.

    Mais:

    Daesh está se fortalecendo e pode avançar para sul da África, alerta embaixador russo na ONU
    África atômica: terroristas buscam armas nucleares 'a qualquer custo', diz especialista
    Empresário alega que animais 'são abundantes' na África devido à pandemia e estimula a caça
    Tags:
    África, Forças Armadas, Sahel, Chade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar