00:11 23 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    111161
    Nos siga no

    Logo após a divulgação de relatos sobre o assassinato, o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã afirmou que todos os cientistas da indústria nuclear do país estão seguros.

    A Organização de Energia Atômica do Irã rejeitou os relatos sobre o assassinato de um físico nuclear no país, declarou a agência ISNA nesta sexta-feira (27).

    Anteriormente, a agência Rajanews informou que um físico nuclear iraniano de grande importância, Mohsen Fakhrizadeh, foi assassinado na região de Damavand. De acordo com esta mídia, as tentativas médicas de salvar o cientista não tiveram sucesso.

    Segundo a agência Reuters, citada pela mídia estatal iraniana, o físico morreu no hospital em que recebeu socorro após o ataque.

    "Infelizmente, a equipe médica não teve sucesso em reanimá-lo, e minutos depois este administrador e cientista alcançou o alto status de mártir depois de anos de esforço e luta", lamenta um comunicado das Forças Armadas do Irã divulgado pela mídia estatal.

    Usuários das mídias sociais no Irã compartilharam fotos e vídeos da alegada cena do assassinato, afirmando que escutaram uma explosão e avistaram fogo na área.

    Comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã (IRGC, na sigla em inglês), Hossein Salami, condenou em seu Twitter o assassinato de cientistas nucleares, que ele acredita ter ocorrido para impedir o Irã de ter acesso à ciência moderna.

    Em resposta, o chanceler iraniano afirmou que a morte do físico teve o aparente envolvimento de Israel, convocando a comunidade internacional a condenar este crime.

    Mais:

    'Devem sair': Irã critica presença de tropas dos EUA na Síria, exigindo sua retirada imediata
    Exército israelense se prepara para possibilidade de Trump atacar Irã, segundo mídia
    Netanyahu encarrega próximo presidente dos EUA contra regresso ao acordo nuclear com Irã
    Tags:
    mídia, atentado, assassinato, Física, cientistas, energia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar