04:25 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    101816
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (15), em Washington, líderes de Israel, Bahrein e Emirados Árabes Unidos assinaram um histórico acordo de paz mediado pelos Estados Unidos.

    Em agosto, Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram em normalizar suas relações bilaterais, o que, entre outras coisas, fez com que Israel desistisse de seus planos de estender sua soberania sobre algumas áreas da Cisjordânia através da anexação de territórios. Quase um mês depois, o rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, anunciou oficialmente um tratado semelhante após uma conversa telefônica com o presidente dos EUA, Donald Trump e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

    Em Washington,o presidente dos EUA, Donald Trump, discursa na Casa Branca durante cerimônia de assinatura de tratados de paz mediados pelos EUA e assinados entre Israel, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, em 15 de setembro de 2020.
    © REUTERS / Tom Brenner
    Em Washington,o presidente dos EUA, Donald Trump, discursa na Casa Branca durante cerimônia de assinatura de tratados de paz mediados pelos EUA e assinados entre Israel, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, em 15 de setembro de 2020.

    A cerimônia oficial de assinatura dos tratados de paz foi transmitida da Casa Branca ao vivo nesta terça-feira (15), em Washington. Durante a solenidade, Emirados Árabes Unidos e Bahrein se reconciliaram oficialmente com Israel, estabelecendo os acordos mediados pelos EUA.

    Além de Donald Trump, estiveram presentes na cerimônia o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, o chanceler dos Emirados Árabes Unidos, Abdullah bin Zayed, e o chanceler do Bahrein, Abdullatif al-Zayani.

    Tais acordos pretendem contornar a questão da Palestina no sentido de criar uma solução de dois Estados para o conflito com Israel e permitir uma reaproximação do Estado judeu com alguns de seus países vizinhos.

    Apesar das intenções de solução multilateral, os palestinos não participaram da costura dos acordos e criticaram duramente as iniciativas, assim como outros países na região, como o Irã e a Turquia.

    Em Washington, (da esquerda para a direita) o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, o chanceler dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Abdullah bin Zayed, e o chanceler do Bahrein, Abdullatif al-Zayani, acenam durante cerimônia de assinatura de acordo de paz entre os países, em 15 de setembro de 2020.
    © REUTERS / Tom Brenner
    Em Washington, (da esquerda para a direita) o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, o chanceler dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Abdullah bin Zayed, e o chanceler do Bahrein, Abdullatif al-Zayani, acenam durante cerimônia de assinatura de acordo de paz entre os países, em 15 de setembro de 2020.

    Os Emirados Árabes Unidos e Bahrein serão o terceiro e o quarto países árabes a reconhecer Israel, sendo que o Egito e a Jordânia o fizeram em 1979 e 1994, respectivamente.

    Mais:

    Trump diz esperar que Arábia Saudita entre no acordo de paz entre Israel e Emirados Árabes
    Chega o 'dia obscuro na história do mundo árabe', diz Palestina sobre acordos de paz com Israel
    Pacto histórico: acordo de paz de Israel, EAU e Bahrein
    Tags:
    Hamad bin Isa al-Khalifa, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, EUA, Bahrein, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar