03:03 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4442
    Nos siga no

    Após forte explosão no porto de Beirute e meses de protestos contra a situação econômica no país, o primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, decidiu renunciar, informou oficialmente o governo do país.

    Após dias de violentos protestos seguidos pela forte explosão na zona portuária de Beirute, o ministro da Saúde libanês, Hamad Hassan, declarou que "todo o governo renunciou", notícia que acabou confirmada por Diab horas depois.

    Desta forma, segundo reportou a Bloomberg, o primeiro-ministro vai formalmente informar o presidente Michel Aoun e entregar a renúncia em nome de todos os ministros.

    Anteriormente, a ministra da Justiça, Marie Claude Najm, o ministro da Informação, Manal Abdel Samad, e o ministro do Meio Ambiente, Damianos Kattar, já haviam renunciado aos seus postos.

    A renúncia do governo vem logo após fortes protestos que, somada a forte explosão na zona portuária de Beirute, aumentaram ainda mais a insatisfação da população libanesa com o governo.

    Muitos consideram a explosão resultado de corrupção e má gestão da elite política no país.

    Ainda no sábado (8), Diab convocou novas eleições parlamentares, dizendo que o país não poderia escapar da corrente "crise estrutural" sem um voto, publicou a Al-Jazeera.

    Novas eleições vão requerer aprovação do parlamento. Sob um sistema confessionalista, o primeiro-ministro (sunita) é formalmente apontado pelo presidente (um cristão maronita).

    É válido ressaltar que a crise econômica e a desvalorização da moeda local, a libra libanesa, já vinham incentivando fortes protestos no país há alguns meses.

    Mais:

    Irã diz que se EUA querem ajudar o Líbano, deveriam suspender sanções
    Ajuda ao Líbano é positiva, mas imagem do Brasil segue desgastada no exterior, dizem analistas
    Convidado a chefiar missão no Líbano, Temer não pode viajar sem autorização judicial
    Tags:
    Beirute, Michel Aoun, renúncia, protestos, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar