01:22 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    O presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu nesta quinta-feira (6) em Beirute que a França ajudará o Líbano após a explosão desta terça-feira (4) na capital libanesa. 

    Por outro lado, o chefe de Estado cobrou reformas econômicas e políticas dos governantes do Líbano. O presidente francês é o primeiro líder estrangeiro a visitar Beirute após a tragédia, que deixou pelo menos 145 mortos e cerca de 5.000 feridos.

    Ele esteve no porto e depois no bairro Gemmayze, de maioria cristã e um dos mais atingidos pela explosão, que teria sido provocada por toneladas de nitrato de amônio armazenadas no porto.

    "Vim aqui para expressar e dar apoio da nação francesa, do povo francês, ao povo libanês", afirmou Macron, segundo a agência Reuters. O mandatário disse ainda que o Fundo Monetário Internacional deveria elaborar um programa de ajuda para o Líbano, que é uma ex-colônia francesa.

    Além disso, Macron afirmou desejar que as investigações sobre a explosão em Beirute "possam ser feitas o mais rápido possível, e de maneira perfeitamente independente e transparente, para explicar e prestar contas do que se passou". 

    Ao mesmo tempo, cobrou "iniciativas fortes para lutar contra a corrupção, para impor transparência e para realizar as reformas que conhecemos", referência à reformas dos sistemas bancário e elétrico. Segundo ele, se essas mudanças não forem feitas, a crise no país pode piorar. 

    ​Líbano enfrenta crise econômica

    "Cabe aos líderes existentes hoje, a um povo soberano, implementar essas decisões", acrescentou Macron, que vai se reunir com presidente e o primeiro-ministro libaneses ao longo do dia.

    Segundo especialistas e economistas, a situação do Líbano, que já era considerada difícil, deve piorar com a tragédia, por isso o país pode precisar de ajuda internacional para reconstruir os danos causados pela explosão. 

    Mais:

    'Pensei que fossem fertilizantes': capitão de navio conta o que viu da carga 'mortífera' no Líbano
    Bolsonaro promete ajuda ao Líbano
    Reino Unido promete US$ 6,6 milhões em ajuda humanitária ao Líbano
    Tags:
    Emmanuel Macron, reformas, crise, FMI, economia, explosão, Beirute, Líbano, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar