17:34 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2265
    Nos siga no

    Suspeito do genocídio em Ruanda, Félicien Kabuga, foi preso neste sábado (16), perto de Paris, após 26 anos em fuga, informou o Ministério da Justiça da França.

    Kabuga é considerado o "tesoureiro do genocídio de Ruanda" e um dos principais réus ainda procurados pela Justiça internacional. As informações foram publicadas pela agência AFP.

    Kabuga, de 84 anos, é acusado de ter criado as milícias Interahamwe, o principal braço armado do genocídio de 1994 que causou em torno de 800 mil mortes, segundo números da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Ele vivia com identidade falsa em um apartamento de um prédio residencial em Asnieres-Sur-Seine, quando foi preso. Kabuga estava com um de seus filhos, que não foi detido.

    Olivier Olsen, chefe da associação de proprietários de imóveis no prédio onde ele morava, descreveu Kabuga como "uma pessoa muito discreta [...] que balbuciava quando alguém o cumprimentava".

    Jornal de Nairóbi com foto do então fugitivo Félicien Kabuga, acusado de financiar o genocídio de Ruanda.
    © REUTERS / George Mulala
    Jornal de Nairóbi com foto do então fugitivo Félicien Kabuga, acusado de financiar o genocídio de Ruanda.

    Kabuga morou no prédio por três ou quatro anos e tinha problemas para caminhar.

    Felicien Kabuga foi indiciado em 1997 por sete acusações criminais, incluindo genocídio, cumplicidade em genocídio e incitação a cometer genocídio, todas em relação ao massacre de 1994 em Ruanda.

    Ele é alvo de um mandado de prisão por parte do Mecanismo para Tribunais Penais Internacionais (MTPI), a estrutura encarregada de concluir os trabalhos do Tribunal Penal Internacional para Ruanda.

    Sua detenção mostra que "os responsáveis pelo genocídio podem ser responsabilizados, mesmo 26 anos após seus crimes", disse o promotor do MTPI, Serge Brammertz, em um comunicado.

    Kabuga passará por um processo de extradição diante de uma câmara do Tribunal de Apelação de Paris. Este órgão decidirá sua entrega ao MTPI do Tribunal Internacional de Haia para julgamento.

    Os dois principais grupos étnicos de Ruanda eram os hutus e os tutsis, que travaram uma guerra civil no início dos anos 90.

    Em 1994, Félicien Kabuga fazia parte do círculo próximo ao presidente ruandês, Juvénal Habyarimana, cujo assassinato em 6 de abril de 1994 provocaria o genocídio. Uma das filhas de Kabuga era casada com um filho de Habyarimana.

    Kabuga presidiu a Rádio Televisão Free Thousand Hills (RTLM), que transmitia convocações para assassinar os tutsis, e o Fundo de Defesa Nacional (FDN), que coletava "fundos" para financiar a logística e as armas dos milicianos hutus Interahamwe, de acordo com a ata de acusação do TPIR.

    Kabuga era um dos principais acusados foragidos, junto com Protais Mpiranya, que dirigia a guarda do então presidente ruandês, Juvénal Habyarimana, e o ex-ministro da Defesa Augustin Bizimana. Ambos ainda são perseguidos pela justiça internacional.

    Mais:

    Boutros-Ghali, chefe da ONU nas crises de Ruanda, Iugoslávia e Somália, morre aos 93 anos
    Igreja Católica entoa o 'mea culpa' pelo genocídio de Ruanda: 'Pedimos perdão'
    Papa Francisco implora perdão pelos 'pecados da Igreja' no genocídio de Ruanda
    Analistas e militares mostram 'mão armada' dos EUA no genocídio em Ruanda
    O papel da França no genocídio em Ruanda
    Ruanda lembra 25 anos de genocídio que matou 800 mil
    Tags:
    mortes, genocídio, Tribunal Penal Internacional para a Ruanda, Ruanda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar