18:24 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1156
    Nos siga no

    Neste sábado, a capital iraquiana testemunhou vários ataques com foguetes, inclusive na área residencial de Jadriya e na base militar de Balad, que abriga as forças norte-americanas, a cerca de 80 quilômetros ao norte de Bagdá.

    De acordo com uma declaração emitida pelas forças da coalizão militar liderada pelos EUA, em 4 de janeiro, durante ataques na proximidade de bases iraquianas que hospedam tropas da coalizão "a Zona Internacional sofreu um incêndio indireto após ataque fora das instalações da Coalizão que potencialmente prejudicou civis iraquianos".

    A declaração da coalizão observa que os ataques anteriores, em novembro e dezembro, "mataram e feriram funcionários iraquianos e da coalizão".

    O comunicado acrescenta que relatos anteriores sobre ataques contra o Centro de Operações em Mossul eram falsos, pedindo às pessoas que "solicitassem confirmação por funcionários do governo, em vez de espalhar boatos".

    No início do dia, o canal de TV Al-Arabiya relatou que as áreas próximas de instalações da equipe de segurança regional do Iraque na província de Ninawa, no norte do país, foram atingidas por ataques de morteiros.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou neste sábado que os Estados Unidos identificaram 52 locais iranianos, que seriam atacados "muito rápido e com muita força" se o Irã atacasse cidadãos ou bens dos EUA.

    A escalada mais recente nas relações Irã-EUA ocorreu quando o governo Trump matou Qassem Soleimani, comandante da Força Quds de elite do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, em um ataque aéreo que foi autorizado pelo presidente americano na sexta-feira.

    O ataque também matou Abu Mahdi al-Muhandis, um membro sênior das Forças de Mobilização Popular Shia do Iraque. Os Estados Unidos alegaram que os dois oficiais militares estavam por trás do recente cerco à embaixada dos EUA no Iraque.

    Tags:
    coalizão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar