06:06 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    25777
    Nos siga no

    O embaixador iraniano na ONU, Majid Takht Ravanchi, comentou a tensão que se instaurou entre o Irã e os EUA após o assassinato do general Qasem Soleimani.

    Ao falar sobre as declarações do secretário de Estado, Mike Pompeo, sobre o suposto ataque iminente planejado por Soleimani contra os norte-americanos, em entrevista ao canal CNN, o diplomata considerou as alegações infundadas.

    "Definitivamente rechaçada [a acusação]. Se eles têm alguma evidência, devem mostrá-la. Eles devem fornecer a evidência", disse Ravanchi.

    O embaixador também comentou as declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, que disse que os EUA não buscam mudar o sistema político do Irã.

    "O que importa são as ações de Washington, não suas palavras. Mas o que elas estão realmente fazendo é pressionar bastante o povo iraniano", disse.

    Ao ser questionado sobre as ações de resposta prometidas pelo governo iraniano após a morte de Soleimani,o embaixador afirmou que os EUA já "começaram uma guerra".

    "EUA já começaram uma guerra, não apenas em termos econômicos, mas em algo a mais matando um de nossos generais mais importantes, cuja perda é lamentada não apenas pelos iranianos, mas também por outros povos da região. Portanto, não podemos simplesmente fechar os olhos para o que aconteceu ontem à noite: definitivamente haverá uma vingança dura", disse Ravanchi.

    Mais:

    Assassinato de comandante iraniano pode elevar confronto entre EUA e Irã a novo nível, diz mídia
    Irã conta quantas bases militares dos EUA estão 'na sua linha de tiro'
    Em nota sobre crise EUA-Irã, Itamaraty manifesta apoio 'à luta contra o terrorismo'
    Não tenho o poderio bélico para opinar, diz Bolsonaro sobre crise EUA-Irã
    Tags:
    Donald Trump, embaixador, assassinato, Qassem Soleimani, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar