13:50 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    526
    Nos siga no

    A coalizão liderada pelos EUA contra o grupo terrorista Daesh (organização proibida na Rússia) matou involuntariamente ao menos 1.359 civis desde o início dos ataques aéreos em 2014, disse nesta quinta-feira o organismo comandado por Washington.

    "A coalizão realizou 34.725 ataques entre agosto de 2014 e o final de novembro de 2019, neste período, segundo as informações disponíveis, a CJTF-OIR avalia que pelo menos 1.359 civis foram mortos involuntariamente nas ações da coalizão desde o início da Operação inerente à resolução", afirmou a Força Coordenada de Ação Conjunta – Operação Resolução Inerente (CJTF-OIR, por sua sigla em inglês) em um comunicado.

    Em novembro passado, a coalizão continuou investigando 87 relatórios abertos e recebeu 47 novos documentos.

    "Dos 52 relatórios completos de denúncia de vítimas, foi determinado que quatro eram confiáveis e resultaram em 12 mortes civis não intencionais, a CJTF-OIR avaliou os 48 relatórios restantes como inacreditáveis", acrescentou o texto.

    Quatro relatórios avaliados como confiáveis incluem informações sobre ataques na Síria em janeiro e agosto de 2017, bem como em janeiro e março de 2019, informou a coalizão.

    A coalizão, liderada pelos EUA e composta por mais de 70 países, está conduzindo operações militares contra o Daesh na Síria e no Iraque.

    As atividades da coalizão são realizadas em conjunto com as autoridades do governo iraquiano, mas as executadas na Síria não têm a aprovação do governo daquele país ou do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

    Mais:

    Pentágono recomeça luta contra Daesh para justificar ocupação da Síria, diz ex-embaixador britânico
    Daesh reivindica autoria de ataque terrorista em Londres
    Militares russos entram pela 1ª vez na antiga 'capital' do Daesh
    Tags:
    ataques a civis, coalizão, terrorismo, Daesh, Estados Unidos, Síria, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar