13:35 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano, à esquerda, sentado em veículo blindado perto da tensa linha de frente entre o Conselho Militar de Manbij, apoiado pelos EUA, e os combatentes apoiados pelos turcos, em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018

    Força Aérea dos EUA realiza operação militar na Síria para destruir munições 'deixadas para trás'

    © AP Photo / Hussein Malla
    Oriente Médio e África
    URL curta
    82415
    Nos siga no

    Dois caças norte-americanos lançaram ataques aéreos pré-planejados nesta quarta-feira (16) para destruir as munições deixadas para trás quando as forças americanas deixaram o país.

    O alvo foi uma fábrica de cimento ao sul de Kobane, na Síria, disse em um comunicado, o porta-voz da coalizão internacional, coronel Myles B. Caggins III.

    O local serviu como centro de coordenação da coalizão liderada pelos EUA e forças curdas.

    "Em 16 de outubro, depois que todo o pessoal da coalizão e a equipe tática essencial partiram, duas coalizões de F-15E realizaram com sucesso um ataque aéreo de precisão pré-planejado na Fábrica de Cimento Lafarge para destruir munição e reduzir a utilidade da instalação militar", disse Caggins.

    Os EUA anunciaram a retirada de suas tropas do norte da Síria no dia 9 de outubro.

    Menos de 24 horas depois, a Turquia lançou sua mais recente operação militar, chamada de Fonte de Paz.

    A iniciativa gerou preocupações de seus aliados da OTAN, com vários países anunciando a suspensão da venda de armas para a Turquia.

    Os EUA anunciaram sanções contra autoridades e entidades turcas, incluindo ministérios de defesa e energia do país.

    Mais:

    Erdogan revela objetivos da operação turca na Síria
    Congresso dos EUA apresenta resolução contra decisão de Trump de retirar-se da Síria
    Trump 'abandona' curdos, diz que eles 'não são anjos' e exime os EUA de conflito na Síria
    Tags:
    operação militar, Kobane, Síria, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar