17:32 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bolsa de Valores de Pequim

    Preços de petróleo disparam após ataque contra refinarias sauditas

    © AP Photo / Ng Han Guan
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9203
    Nos siga no

    Os preços do petróleo disparam nas bolsas de valores em todo o mundo depois que a Arábia Saudita anunciou a suspensão da produção diária de 5,7 milhões de barris.

    Para os mercados de petróleo, é a pior interrupção não programada de produção da história, superando até a perda de suprimentos de petróleo do Kuwait e do Iraque em agosto de 1990.

    Os preços das marcas de referência Brent subiram US$ 11,73, atingindo o valor de US$ 71,95 por barril nas primeiras operações da Bolsa de Valores de Cingapura.

    O aumento afetou preço do gás natural, que aumentou entre 1,5 e 2%.

    A Arábia Saudita foi forçada a suspender cerca de 50% de sua produção - 5% da produção global - depois que vários drones atacaram a maior instalação de processamento de petróleo do mundo em Abqaiq e o segundo maior campo de petróleo do reino em Khurais.

    Após a ofensiva, o principal índice da Bolsa de Valores da Arábia Saudita, Tadawul All Share (TASI), registrou uma queda de cerca de 2,3%. O reino pode reiniciar um volume significativo de produção de petróleo interrompida em questão de dias, mas precisa de semanas para restaurar toda a sua capacidade de produção.

    Por enquanto, os principais produtores e consumidores podem usar suas reservas acumuladas para tentar conter o aumento dos preços em todo o mundo. Assim, o presidente dos EUA, Donald Trump, autorizou a liberação do petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo de seu país, "se for necessário".

    Mais:

    Arábia Saudita pretende restaurar produção perdida de petróleo até segunda-feira
    Kremlin: ataque a Saudi Aramco é 'alarmante para o mercado de petróleo'
    EUA dizem estar 'prontos' para usar reservas de petróleo após ataque em refinarias sauditas
    Tags:
    preços, Saudi Aramco, petróleo, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar