16:04 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Um combatente norte-americano, que está lutando ao lado das Forças Democráticas da Síria, segura bandeira do seu país

    Ações dos EUA na Síria violam a soberania do país, diz Irã

    © REUTERS / Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9132
    Nos siga no

    As ações norte-americanas no nordeste da Síria, que visam criar a chamada zona de segurança, minam a integridade territorial e a soberania do país, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abas Musavi.

    "O comportamento dos EUA no nordeste da Síria é um ataque aberto contra a soberania e integridade territorial da Síria e é contrário aos princípios do direito internacional e da Carta da ONU", disse Musavi no Telegrama do Ministério das Relações Exteriores.

    Ele também observou que "as últimas declarações e acordos de autoridades norte-americanas na zona de segurança no nordeste da Síria são provocativos e causam preocupação".

    Nos últimos anos, a Turquia ameaçou repetidamente lançar uma ofensiva contra as milícias curdas no norte da Síria, que considera estar ligada a terroristas, caso não consiga criar uma zona de segurança com os EUA naquela região.

    Autoridades da Turquia e dos EUA fizeram uma reunião em Ancara e concordaram em 7 de agosto em estabelecer um centro de operações conjuntas e coordenar esforços para criar uma zona de segurança no norte da Síria.

    O governo da Síria qualifica o acordo turco-americano sobre a zona de segurança de ataque flagrante contra a soberania e a integridade territorial do país árabe e uma séria violação dos princípios do direito internacional e da Carta das Nações Unidas.

    Mais:

    Damasco: acordo turco-americano sobre 'zona segura' viola soberania síria
    Turquia afirma que EUA tirarão tropas de zona onde será iniciada operação turca na Síria
    Pressão sobre Turquia na Síria pode ter consequências graves para EUA, adverte analista
    Tags:
    Estados Unidos, Irã, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar