23:08 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

    'Quem está ao lado de Israel está contra nós', diz Erdogan após morte de palestinos

    © AP Photo / Assessoria de imprensa do presidente
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16208
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, condenou Israel e seus aliados por permitirem um "estado de terror [...] na Palestina", declarando: "Quem está do lado de Israel, saiba que estamos contra eles".

    "Não aprovamos o silêncio sobre o estado de terror que Israel realiza descaradamente na Palestina", declarou Erdogan, dirigindo-se a altos funcionários provinciais de seu Partido da Justiça e Desenvolvimento em Ancara, segundo a Iranian PressTV.

    Erdogan tem sido um feroz crítico do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e seu governo, denunciando o premiê atualmente atolado em múltiplas investigações de corrupção e suborno como "o ladrão que lidera Israel" e um "tirano que abate crianças palestinas de 7 anos".

    Quando Israel adotou sua polêmica lei "Estado judeu", Erdogan comparou a mudança ao "espírito de Hitler [...] ressurgiu entre algumas autoridades israelenses".

    No entanto, seus últimos comentários também podem ser interpretados como uma alfinetada em Washington, depois que os EUA "suspenderam" a Turquia do programa F-35, condenando a compra de sistemas de mísseis russos S-400 como uma traição aos interesses de segurança da OTAN.

    Resultado de um dos ataques com mísseis lançados por Israel na Faixa de Gaza (foto de arquivo)
    © Sputnik / Ahmed Abed
    Resultado de um dos ataques com mísseis lançados por Israel na Faixa de Gaza (foto de arquivo)

    Enquanto a administração Trump deixou claro que Ancara pode voltar ao programa se abandonar o equipamento russo, Erdogan insinuou que ele está preparado para distanciar a Turquia do mercado de armas americano, publicamente ponderando o cancelamento de uma compra avançada de 100 "aeronaves da Boeing".

    Forças militares israelenses mataram 56 crianças palestinas e feriram perto de 2.700 "no contexto de manifestações, confrontos e operações de busca e apreensão" em 2018, de acordo com um relatório da ONU divulgado na sexta-feira, o qual confirma muitas outras missões de investigação do órgão. O número de crianças mortas foi o maior desde 2014, quando Israel travou sua mais recente guerra unilateral contra Gaza.

    O Conselho de Segurança da ONU tentou denunciar a demolição israelense de 10 prédios de apartamentos palestinos na área de Wadi Hummus, na semana passada, redigindo uma resolução que condenava a destruição por "comprometer a viabilidade da solução de dois Estados e a perspectiva de apenas e paz duradoura", apenas para os EUA para vetar o movimento.

    Mais:

    Sem Israel, o Oriente Médio cairia diante do 'extremismo islâmico', diz Netanyahu
    Israel testa no Alasca sistema capaz de derrubar mísseis no espaço (FOTOS)
    Israel teria atacado instalações iranianas em solo do Iraque
    Tags:
    violência, ONU, judeus, palestinos, Palestina, Turquia, Israel, Benjamin Netanyahu, Recep Tayyip Erdogan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar