02:57 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    USS Mount Whitney, navio da sexta frota dos EUA (imagem de arquivo)

    Operação Sentinela: EUA anunciam plano para proteger rotas de navegação no Oriente Médio

    © AP Photo / Efrem Lukatsky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8210

    Washington está trabalhando em uma operação multinacional para garantir a navegação livre e segura nas principais rotas de navegação no Oriente Médio, anunciou o Comando Central dos EUA (Centcom).

    "O Comando Central dos EUA está desenvolvendo um esforço marítimo multinacional, a Operação Sentinela, para aumentar a vigilância e a segurança das principais vias aquáticas no Oriente Médio e garantir a livre navegação à luz dos recentes eventos na região do golfo Pérsico", diz o comunicado.

    De acordo com o comunicado, o objetivo da Operação Sentinela é "promover a estabilidade marítima, garantir a passagem segura e reduzir as tensões nas águas internacionais ao longo do golfo Pérsico, do estreito de Ormuz, do estreito de Bab-el-Mandeb e do golfo de Omã".

    'Vigilância do domínio marítimo'

    "Embora os Estados Unidos estejam comprometidos em apoiar essa iniciativa, as contribuições e a liderança dos parceiros regionais e internacionais serão necessárias para que tenha sucesso", lê-se no aviso.

    "Este marco de segurança marítima permitirá às nações fornecer escolta aos seus navios abandeirados, aproveitando a cooperação das nações participantes para a coordenação e maior consciência e vigilância do domínio marítimo", adiciona a declaração.

    A nota ainda informa que Washington continua coordenando "com os aliados e parceiros na Europa, Ásia e Oriente Médio os detalhes e as capacidades necessárias para que a Operação Sentinela permita a livre navegação na região e proteja as rotas de navegação vitais".

    Crise nas relações

    Em meados de julho, o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, general Joseph Dunford, anunciou que os EUA pretendem criar uma coalizão militar internacional para monitorar as águas estratégicas ao redor do Irã e do Iêmen.

    O anúncio do Centcom sobre a operação surgiu após a Guarda Revolucionária iraniana ter detido no estreito de Ormuz dois petroleiros, o britânico Stena Impero e o liberiano Mesdar, embora este último tenha sido liberado horas depois e continuado sua jornada.

    O navio britânico, acusado pelo Irã de violar regras internacionais, desviou-se de sua rota para a costa iraniana e "não está mais sob o controle da tripulação", segundo a empresa operadora. A bordo do petroleiro Stena Impero estão os 23 membros da tripulação, incluindo três cidadãos russos, bem como cidadãos da Índia, Letônia e Filipinas.

    Mais:

    Trump diz que navio de guerra dos EUA destruiu drone do Irã no Estreito de Ormuz
    Irã planeja cobrar pedágio de navios no estreito de Ormuz
    Irã apreende petroleiro britânico no Estreito de Ormuz
    Tags:
    golfo Pérsico, liberdade de navegação, CENTCOM, Estreito de Ormuz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar